Mercado fechará em 16 mins
  • BOVESPA

    111.259,04
    -814,51 (-0,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.372,10
    -646,81 (-1,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,63
    +0,22 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.932,80
    -10,00 (-0,51%)
     
  • BTC-USD

    24.066,11
    +999,08 (+4,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    550,77
    +5,45 (+1,00%)
     
  • S&P500

    4.187,43
    +68,22 (+1,66%)
     
  • DOW JONES

    34.052,04
    -40,92 (-0,12%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.874,75
    +460,50 (+3,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4813
    -0,0731 (-1,32%)
     

Dólar sobe e Bolsa cai após invasões em Brasília com mercado à espera de desdobramentos

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar apresenta alta frente ao real na manhã desta segunda-feira (9), mesmo depois que apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro invadiram a sede dos Três Poderes em Brasília, com analistas apontando que o mercado ficará atento aos desdobramentos dos atos anti-democráticos no decorrer dos próximos dias.

Às 10h50 (horário de Brasília), o dólar à vista avançava 0,91%, a R$ 5,2850 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa recuava 0,21%, a 108.732 pontos.

Os juros apresentam alta, refletindo a cautela com os riscos políticos. Os contratos com vencimento em 2024 subiam de 13,61% ao ano no fechamento da última sexta-feira (6) para 13,70% neste início de segunda-feira. A taxa para 2025 avança de 12,90% para 13,01%. E para 2027, de 12,81% para 12,92%.

Analistas de investimentos ouvidos pela Folha de S.Paulo apontam que os atos de vandalismo dão uma nova dimensão da tensão política em curso no país e tendem a afugentar o capital estrangeiro. Para os representantes do mercado financeiro, ainda é preciso "cautela e observação", mas é inegável que a imagem que fica para os investidores é negativa.

Lorena Laudares, analista política da Órama Investimentos, lembra que o investidor estrangeiro representa mais de 50% da movimentação diária da Bolsa, e a percepção de uma instabilidade institucional pode afastar esses investidores.

"Os rumos dos mercados nos próximos dias serão definidos pela capacidade das instituições de conseguir evitar novos atos de vandalismo, e também não permitir a adesão de categorias importantes, como os caminhoneiros", diz Laudares.

"O investidor não está acostumado a esse tipo de evento, de natureza política –e nem nós estamos, na verdade", Nicolas Borsoi, economista-chefe da Nova Futura Investimentos. "Passa uma imagem muito ruim da situação do país e pode afugentar o investidor estrangeiro, que é quem investe na bolsa."

"É negativo para os ativos brasileiros, porque significa que e existe algo de muito errado na política, que não encontrou alternativas pacíficas e deixou que o cenário chegasse a este nível", afirma Borsoi.

Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos, concorda. "Quando se pensa em Brasil, um dos argumentos para atrair capital é termos uma relativa estabilidade em relação a outros mercados emergentes", diz. "Agora bolsa e dólar vão nos dizer o quanto eventos como o deste domingo comprometem esta imagem."

Arbetman lembra que o preço de uma ação é calculado pelo fluxo de caixa esperado sobre a taxa de juros. "Tendemos a ver a bolsa precificando o aumento do nível de risco", diz ele, ressaltando, no entanto, que as invasões de domingo não interferem na dinâmica operacional das companhias. "Vamos ter impactos negativos, mas não sabemos a durabilidade deles", afirma.

Na opinião de Piter Carvalho, economista-chefe da Valor Investimentos, o momento é de observação para ver como o governo vai agir para controlar estas manifestações. "Há um temor que elas possam se espalhar por todo o país, inclusive com o bloqueio em rodovias, repetindo as cenas que nós vimos nas eleições", afirma.

"Se o movimento ganhar força e bloquear as estradas, isso trava a economia e gera impactos negativos em diversas empresas, que dependem principalmente das rodovias", diz.

Na sexta-feira (6), o dólar fechou em baixa e não só zerou a valorização acumulada durante a semana, como passou a apresentar queda em relação ao real na primeira semana de 2023. Já a Bolsa ficou mais perto de zerar as perdas acumuladas neste início de ano.

A melhora do mercado brasileiro aconteceu depois do discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na abertura da primeira reunião ministerial do atual governo, e da divulgação do relatório de emprego nos Estados Unidos.

O dólar comercial à vista caiu 2,13% nesta sexta-feira (6), a R$ 5,2370 na venda. Na semana, a moeda americana recuou 0,7% em relação ao real. O Ibovespa fechou em alta de 1,23%, aos 108.963 pontos. O índice encerrou 2022 em 109.734 pontos.

Os juros também apresentaram queda. Nos contratos com vencimento em 2024, a taxa recuou de 13,70% no fechamento da véspera para 13,59%. Os vencimentos mais longos encerraram o dia com juros abaixo de 13%. Para 2025, as taxas saíram de 13,12% na véspera para 12,85%. E no vencimento de 2027, a queda foi de 13,05% para 12,79%.