Mercado fechará em 4 h 2 min
  • BOVESPA

    109.283,82
    -1.502,61 (-1,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.774,31
    -523,89 (-1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,09
    -1,33 (-1,59%)
     
  • OURO

    1.781,80
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    63.928,56
    -2.761,16 (-4,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.510,17
    -24,48 (-1,60%)
     
  • S&P500

    4.538,93
    +2,74 (+0,06%)
     
  • DOW JONES

    35.535,21
    -74,13 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.203,25
    -19,85 (-0,27%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.436,75
    +59,25 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5586
    +0,0390 (+0,60%)
     

Dólar sobe com exterior e persistentes ruídos locais

·2 minuto de leitura
Homem acena com nota de dólar na mão em bar em Miami Beach, Flórida, EUA

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar devolveu a queda da véspera e fechou em alta contra o real nesta quinta-feira, impulsionado sobretudo pelo rali global da moeda norte-americana, após dados melhores nos EUA aumentarem dúvidas sobre o momento de redução de estímulos pelo banco central norte-americano.

O noticiário do mercado doméstico também colaborou para manter um clima de conservadorismo, com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), voltando a falar sobre a política de preços da Petrobras e o nó em torno dos precatórios parecendo mais difícil de ser desatado.

Mas a curva da taxa de câmbio aqui acompanhou de forma quase colada a do dólar no exterior. A moeda norte-americana subia ante 31 de 33 pares de uma lista, reflexo da percepção de investidores de que a possibilidade de anúncio de corte de estímulos pelos EUA não parece esvaziada.

Isso porque dados de varejo norte-americano divulgados mais cedo deixaram para trás estimativas de queda ao mostrarem alta em agosto. Números mais fortes podem servir de base para o Fed avaliar que o apoio monetário não é mais necessário --o que, na prática, se traduziria em menor oferta de dólar, movimento que tende a exercer pressão de alta na moeda.

Analistas do banco norte-americano Wells Fargo, porém, ainda se mostram cautelosos sobre interpretar o relatório como evidência de nova alta duradoura nos gastos dos consumidores --que poderia reforçar tendências ascendentes para a inflação, fator que poderia levar o Fed a antecipar o corte de estímulo.

O BC dos EUA se reúne na semana que vem nos mesmos dias em que aqui o Copom também se encontra para decidir os rumos da taxa Selic. Fala recente do presidente do BC, Roberto Campos Neto --interpretada pelo mercado como indicação de alta menor dos juros--, fez preço no câmbio e puxou o dólar para cima.

No fechamento, o dólar à vista subiu 0,54%, a 5,2654 reais.

Na máxima, alcançada à tarde, a cotação bateu 5,2806 reais (+0,83%), mas ainda pela manhã a moeda havia alcançado um patamar próximo, de 5,2800 reais.

Na mínima, atingida ainda no começo dos negócios, a divisa recuou 0,10%, a 5,232 reais.

Lá fora, o índice do dólar saltava 0,4%, maior alta em quase um mês, que o levava ao maior patamar em quase três semanas.

Na quarta, o dólar no Brasil havia cedido 0,42%, a 5,237 reais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos