Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.009,28
    -175,84 (-0,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Dólar sobe com cautela após rali do real, mas caminha para recuo semanal

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar avançava frente ao real nesta sexta-feira, interrompendo sequência de três quedas consecutivas, com certa acomodação após apostas de redução no ritmo da alta de juros nos Estados Unidos impulsionarem forte recuo na véspera, e à medida que investidores avaliam novas medidas econômicas do governo brasileiro.

Às 10:25 (de Brasília), o dólar à vista avançava 0,52%, a 5,1270 reais na venda.

Na B3, às 10:25 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,23%, a 5,1425 reais.

Na semana, o dólar spot caminhava para queda acumulada ao redor de 2%.

"Mercado hoje está dando uma acomodada desse rali da semana, que foi reforçado por CPI (dado de inflação dos EUA)", disse à Reuters Cleber Alessie, gerente da mesa de câmbio da Commcor.

Uma leitura de preços ao consumidor dos EUA pouco abaixo do esperado pelo mercado na quinta-feira consolidou entre os agentes financeiros a aposta de alta de 0,25 ponto percentual nos juros pelo Federal Reserve (Fed) em sua próxima reunião, daqui a pouco mais de duas semanas. A instituição elevou as taxas em 0,5 ponto em dezembro.

Uma redução no ritmo de aperto monetário nos EUA colocaria pressão para baixo sobre o dólar, que tende a se beneficiar de custos de empréstimos mais altos.

No exterior, a moeda norte-americana avançava cerca de 0,30% contra uma cesta de moedas fortes. Pares emergentes do real também registravam perdas na sessão.

Endossava a queda do real uma contração econômica acima do esperado em novembro no Brasil, conforme divulgou o Banco Central mais cedo. O indicador IBC-Br, sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), cedeu 0,55% ante o mês anterior, disse a autoridade monetária, contra expectativa de declínio de 0,20% em pesquisa da Reuters.

Segundo Alessie, ainda que referente a dois meses atrás, o dado traz "uma leitura teórica de menos juros" localmente, uma vez que atividade econômica mais fraca demandaria maior estímulo monetário, o que poderia tirar a atratividade do real.

Os investidores também digeriam o pacote de medidas econômicas anunciadas pelo Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na tarde de quinta-feira.

O plano, que inclui reduções de débitos tributários no Carf (Conselho de Administração de Recursos Fiscais) e reoneração de combustíveis, pode levar a ajuste de até 242,7 bilhões de reais na contas em 2023. Haddad projetou déficit de 0,5% a 1% do PIB para o resultado primário do governo central, em cálculo que já considera a chance de algumas pautas não andarem.

"O governo parece interessado em limitar o aumento projetado do déficit orçamentário em 2023", escreveu a equipe do Goldman Sachs liderada por Alberto Ramos. "Isso é positivo, mas as autoridades continuam a mostrar alguma relutância em adotar cortes permanentes significativos nos gastos correntes e reconhecer abertamente a necessidade de alcançar um superávit fiscal primário de cerca de 2% do PIB para estabilizar a dinâmica da dívida pública", acrescentaram.

Na véspera, o dólar caiu 1,56%, a 5,1003 reais na venda, cotação de fechamento mais baixa desde 4 de novembro (5,0524).

(Por André Romani)