Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,58
    +0,26 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.742,50
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    59.866,79
    +256,48 (+0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.278,39
    +50,85 (+4,14%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.750,22
    -17,84 (-0,06%)
     
  • NASDAQ

    13.781,50
    -48,00 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7627
    -0,0015 (-0,02%)
     

Dólar volta a superar R$5,70 com foco em PIB e PEC Emergencial

·3 minuto de leitura
Notas de dólar e real

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar registrava alta contra o real nesta quarta-feira, depois de apresentar ganhos expressivos no pregão anterior, à medida que investidores reagiam a dados sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e aguardavam a votação da PEC Emergencial.

O PIB doméstico registrou contração de 4,1% em 2020, sob o impacto das medidas de contenção ao coronavírus e após três anos de ganhos, com a atividade no ritmo mais fraco desde o início da série iniciada em 1996. [nL2N2L1126]

Apesar do resultado historicamente fraco, vários analistas destacavam que os dados vieram dentro ou até acima do esperado para o ano passado, período marcado pela pandemia de coronavírus e pela escalada de incertezas políticas e fiscais em Brasília.

"O mercado chegou a esperar queda muito maior do PIB", disse Thomas Giuberti, sócio e economista da Golden Investimentos, que lembrou a retração de até 9% prevista pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no meio da crise.

Rafaela Vitoria, economista-chefe do Banco Inter, ecoou essa visão em postagem no Twitter e acrescentou que os dados do último trimestre mostraram que "o caminho da recuperação passa pelo controle da pandemia e um cenário de juros baixos, que só teremos com maior previsibilidade do lado fiscal".

Nesse contexto, Vanei Nagem, responsável pela Mesa de Câmbio da Terra Investimentos, avaliou que a atenção dos mercados se volta para a votação da PEC Emergencial no Senado, em meio a um cenário amplamente incerto e de expectativas "não muito boas" para a política e a economia.

A votação está prevista para esta quarta-feira, depois que seu novo parecer, protocolado e lido em plenário na véspera, apresentou uma versão mais desidratada da proposta.

Há meses o agravamento da situação fiscal brasileira tem sido motivo de preocupação para os mercados, em meio a temores de que, num cenário de endividamento recorde, os gastos do governo no combate à crise pandêmica não sejam compensados com medidas de austeridade.

Às 10:58, o dólar avançava 0,85%, a 5,7143 reais na venda, perto da máxima do pregão (5,7222 reais, alta de 0,99%).

O principal contrato de dólar futuro subia 0,62%, a 5,7225 reais.

O dólar negociado no mercado interbancário fechou a última sessão em alta de 1,15%, a 5,6662 reais na venda, refletindo a notícia de aumento de tributação a bancos pelo governo do presidente Jair Bolsonaro e incertezas sobre a PEC Emergencial, em dia que contou uma forte pressão de compra que levou o Banco Central a vender mais de 2 bilhões de dólares à vista no mercado.

Segundo Vanei Nagem, depois da forte intervenção da véspera, havia entre alguns analistas a expectativa de que o mercado pudesse ficar mais acomodado.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse na terça-feira que parte da depreciação recente do real não é justificada pelos fundamentos econômicos e ressaltou que o país tem um volume grande de reservas internacionais que permite ao BC seguir atuando no câmbio sempre que achar necessário.

O BC fará neste pregão leilão de swap tradicional para rolagem de até 16 mil contratos com vencimento em junho e dezembro de 2021