Mercado fechará em 44 mins
  • BOVESPA

    112.076,47
    +2.358,53 (+2,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.629,27
    +168,72 (+0,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,74
    -2,60 (-2,76%)
     
  • OURO

    1.816,20
    +9,00 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    24.183,23
    +53,54 (+0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    575,51
    +4,23 (+0,74%)
     
  • S&P500

    4.271,66
    +64,39 (+1,53%)
     
  • DOW JONES

    33.706,43
    +369,76 (+1,11%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.549,50
    +238,25 (+1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1992
    -0,1245 (-2,34%)
     

Dólar vai acima de R$5,20 em sessão volátil, mas caminha para queda mensal

Nota de dólar

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar firmava alta nesta sexta-feira, recuperando algum fôlego e indo acima de 5,20 reais depois de ter despencado mais de 6% nos últimos quatro pregões e revertido seus ganhos no acumulado do mês, em sessão que promete ser volátil devido à formação da Ptax do fim de julho.

Às 10:33 (de Brasília), o dólar à vista avançava 0,75%, a 5,2005 reais na venda, depois de mais cedo ter chegado a cair 0,31%, a 5,1455 reais.

Na B3, às 10:33 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,15%, a 5,1955 reais.

A moeda norte-americana trocou de sinal várias vezes durante a primeira hora de negociações, e especialistas alertavam para manutenção da instabilidade durante toda a manhã, devido à tradicional "briga" pela formação da Ptax --taxa de câmbio calculada pelo Banco Central que serve de referência para liquidação de derivativos.

No fim de cada mês, agentes financeiros costumam tentar direcioná-la para níveis mais convenientes às suas posições, sejam elas compradas ou vendidas em dólar.

As menores cotações do dólar nesta sexta-feira, por exemplo, refletiam a pressão de agentes vendidos na moeda, que apostam em sua queda, disse Jefferson Rugik, presidente-executivo da Correparti Corretora. Mas houve "contragolpe" por parte dos comprados, afirmou o especialista, o que impulsionou a divisa norte-americana. "Dia de disputa da taxa Ptax é briga de cachorro grande."

O dólar fechou a última sessão em 5,162 reais, menor valor para um encerramento desde 21 de junho (5,1533 reais), e teve baixa de 6,10% em quatro pregões, maior desvalorização para esse período de tempo desde novembro de 2020.

Essa baixa expressiva levou o dólar a devolver completamente os ganhos que acumulava no mês. Nos níveis desta sexta-feira, a moeda norte-americana caminhava para registrar queda mensal de 0,6%, ficando mais de 5% abaixo do maior patamar para encerramento de julho, de 5,4976 reais, atingido no dia 22.

O real tem sido beneficiado por uma série de fatores nos últimos dias, com destaque para a alta no preço de commodities importantes em meio a esperanças de adoção de mais estímulo econômico na China e a perspectiva crescente de desaceleração no ritmo de aperto monetário do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos.

Dados mostrando que a economia dos EUA teve uma segunda contração trimestral consecutiva no período de abril a junho colaboraram para a visão de que o Fed será menos agressivo ao elevar seus juros, de forma a evitar que a economia caia numa recessão.

No entanto, uma leitura desta sexta-feira mostrou que a inflação norte-americana medida pelo índice de despesas de consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês) voltou a acelerar em junho, registrando o maior salto mensal desde setembro de 2005, o que pode voltar a levantar dúvidas sobre a trajetória futura do Fed. Num geral, quanto mais altos os custos dos empréstimos nos EUA, mais o dólar tende a se beneficiar.

"O ritmo das altas (de juros do Fed) pode até diminuir, mas não vemos como interromper o ciclo tão cedo", o que deve continuar pressionando o real no curto prazo e colaborar para a volatilidade no mercado de câmbio doméstico, disse a RB Investimentos em relatório.

O quadro instável deve ser corroborado pelo processo das eleições presidenciais brasileiras, disse a instituição financeira, ressaltando que o "o pós-eleição deve contribuir para uma valorização do real, com o eventual vencedor amenizando falas da campanha, indicando um compromisso fiscal no próximo mandato".

A RB tem como cenário base uma taxa de câmbio de 5 reais por dólar ao fim deste ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos