Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.717,94
    -517,82 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.460,55
    +652,34 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    94,17
    +2,24 (+2,44%)
     
  • OURO

    1.804,70
    -9,00 (-0,50%)
     
  • BTC-USD

    24.203,52
    +437,56 (+1,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    573,13
    -1,61 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.207,27
    -2,97 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.336,67
    +27,16 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.465,91
    -41,20 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    20.082,43
    +471,59 (+2,40%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.342,50
    -49,50 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3254
    +0,0790 (+1,51%)
     

Após superar R$5,30, dólar perde força e fica quase estável à espera de Copom

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar alternou quedas e altas, mas acabou ficando no zero a zero ante o real nesta quarta-feira, antes da decisão de juros pelo Banco Central e ao fim de um dia sem muita direção comum nas praças financeiras globais.

O dólar à vista teve variação positiva de 0,02%, a 5,2781 reais na venda. Ao longo da jornada, oscilou entre 5,3171 reais (+0,76%) e 5,244 reais (-0,63%) nesta sessão.

As máximas do dia foram alcançadas conforme o dólar lá fora estendeu os ganhos, puxado por fortes dados econômicos dos EUA e reiterados discursos de autoridades do Fed determinadas a vencer a inflação.

A aceleração do rali em Wall Street [.NPT] na parte da tarde, porém, reduziu o apelo da divisa norte-americana, e o dólar aqui e no exterior chegou ao fim da tarde afastado dos picos da sessão.

O humor dos agentes financeiros segue bastante instável e ao sabor de indicadores de atividade, emprego e preços (sobretudo nos Estados Unidos), que orientam as decisões dos bancos centrais. No Brasil, o Copom anunciará provável nova alta de 0,50 ponto percentual da Selic após o fechamento dos mercados nesta quarta-feira --e há quem acredite que o ciclo pode ser estendido.

No mercado de opções digitais da B3, investidores se mostram divididos entre manutenção da taxa Selic em setembro e alta de 0,25 ponto e atribuíram apenas cerca de 14% de probabilidade de elevação de 0,50 ponto.

"Um banco central 'hawkish' (duro com a inflação) provavelmente oferecerá suporte ao real no curto prazo", disse em nota Bertrand Delgado, estrategista do Société Générale, que espera elevação de 50 pontos-base na Selic, para 13,75% ao ano.

Ainda assim, o caminho para o real deverá ser "pedregoso".

"Vemos o real num intervalo estreito com viés de enfraquecimento. A moeda continua exposta a condições financeiras globais mais adversas, dólar forte, crescimento externo e local desacelerando acentuadamente e ajuste fiscal pós-eleitoral sendo adiado", completou Delgado, citando ainda a deterioração dos termos de troca.

O Société Générale projeta que o dólar fechará este ano em 5,86 reais e finalizará o primeiro trimestre de 2023 em 5,97 reais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos