Mercado fechará em 1 h 35 min
  • BOVESPA

    110.128,79
    -1.795,14 (-1,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.864,43
    -369,94 (-0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,53
    -1,45 (-1,81%)
     
  • OURO

    1.782,10
    -27,50 (-1,52%)
     
  • BTC-USD

    17.086,59
    +91,89 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,30
    -7,92 (-1,93%)
     
  • S&P500

    4.019,56
    -52,14 (-1,28%)
     
  • DOW JONES

    34.097,71
    -332,17 (-0,96%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.859,25
    -151,00 (-1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5178
    +0,0238 (+0,43%)
     

Dólar salta mais de 1% às vésperas do 2° turno com temor de contestação das eleições

Notas de dólar

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar avançava mais de 1% em relação ao real nesta sexta-feira, com investidores buscando proteger suas carteiras no último pregão antes do segundo turno das eleições presidenciais, em meio a temores sobre possível contestação do resultado de domingo, embora a moeda tenha reduzido pontualmente seus ganhos na esteira de dados de inflação dos Estados Unidos.

Às 10:03 (de Brasília), o dólar à vista avançava 1,20%, a 5,3662 reais na venda. No pico do dia, a divisa norte-americana chegou a saltar 1,52%, a 5,3835 reais.

Na B3, às 10:03 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,61%, a 5,3675 reais.

Esta sessão é a última oportunidade para investidores prepararem suas posições para o segundo turno de 30 de outubro e seus possíveis desdobramentos. Desta forma, "não tem como o tom não ser impactado pelas eleições, ainda mais se o mercado começar a enxergar que tem um risco de contestação do resultado eleitoral", disse à Reuters Rafael Perez, economista da Suno Research.

Há meses o atual presidente e candidato a um segundo mandato Jair Bolsonaro (PL) vem atacando, sem provas, as urnas eletrônicas, que diz serem passíveis de fraude, e durante a campanha ele e aliados têm insistido na mensagem de que as autoridades eleitorais trabalham contra sua reeleição.

Nesta semana, alimentando temores sobre possível tentativa de descredibilizar o processo eleitoral e preparar o terreno para contestação do resultado de domingo, a campanha de Bolsonaro foi ao TSE para denunciar, sem provas, uma suposta irregularidade na exibição de inserções em rádios da Bahia e de Pernambuco.

Embora tenha afirmado que o risco de extensão do processo eleitoral para um "terceiro turno" é motivo de preocupação para os mercados financeiros, Perez disse que se trata mais de "burburinho" do que uma ameaça concreta, pelo menos até o momento.

"Acredito que será dificil ter uma contestação de fato, o Brasil tem uma democracia consolidada o suficiente" para contornar ataques à credibilidade das eleições, opinou o economista, acrescentando que, se as eleições transcorrerem tranquilamente, sem contestação, os mercados podem viver momentos de alívio a partir da semana que vem.

O Citi tem visão parecida. Em relatório desta sexta-feira, analistas do banco disseram que, "embora acreditemos que a chance de eleições contestadas não seja tão baixa quanto gostaríamos, as consequências não seriam duradouras e os tribunais eleitorais derrubariam uma possível acusação de Bolsonaro, provavelmente dentro de um mês, em nossa opinião".

Passado esse "ruído", o foco dos mercados provavelmente mudará para a agenda econômica do próximo presidente, disse o Citi, que vê uma vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como o cenário mais provável.

Mais cedo nesta sexta-feira, o dólar chegou a moderar pontualmente seus ganhos, na esteira de dados de inflação norte-americanos amplamente em linha com o esperado. Na mínima do dia, a divisa subiu 0,52%, a 5,3300 reais na venda.

Segundo Perez, da Suno, os mercados internacionais têm se agarrado a esperanças de que o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, moderará seu ritmo de aperto monetário a partir de dezembro, em meio a sinais de que a instituição está tendo sucesso em seu esforço para esfriar a economia e domar a inflação mais alta em décadas.

Na véspera, a moeda norte-americana à vista tombou 1,48%, a 5,3026 reais, registrando a maior depreciação percentual diária desde 3 de outubro (-4,03%).