Mercado fechará em 3 h 48 min
  • BOVESPA

    116.893,98
    +759,52 (+0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.751,12
    +321,37 (+0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,75
    +3,12 (+3,73%)
     
  • OURO

    1.733,80
    +31,80 (+1,87%)
     
  • BTC-USD

    20.074,51
    +689,49 (+3,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,87
    +10,44 (+2,34%)
     
  • S&P500

    3.782,30
    +103,87 (+2,82%)
     
  • DOW JONES

    30.241,07
    +750,18 (+2,54%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.645,25
    +359,50 (+3,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1373
    +0,0634 (+1,25%)
     

Dólar estende perdas ante real, mas expectativa por Fed segue no radar

Nota de dólar em frente a um gráfico de ações

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar estendia suas perdas frente ao real no terceiro pregão seguido de queda nesta quarta-feira, penalizado por alívio em receios político-fiscais domésticos e o alto patamar da taxa Selic, mas investidores alertavam para possível volatilidade antes da divulgação da decisão de política monetária do banco central dos Estados Unidos, o Federal Reserve.

O movimento contrastava com a alta do dólar frente à outras grandes moedas, conforme a escalada da ação militar da Rússia, que convocou 300 mil reservistas para lutar na Ucrânia, abalava mercados já sob tensão na expectativa pelo Fed.

Às 9:50 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,24%, a 5,1412 reais na venda.

Na B3, às 9:50 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,12%, a 5,1520 reais.

A taxa Selic está atualmente em 13,75%. A maior parte dos mercados financeiros acredita que o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC já encerrou o ciclo de aperto, mas há quem espere que o colegiado eleve os juros em mais 0,25 ponto percentual, a 14%, numa reunião que se encerra nesta quarta-feira.

O patamar elevado dos juros locais é considerado por especialistas como um colchão para o real diante de um cenário global adverso, já que torna a moeda local atraente para estratégias de "carry trade". Elas consistem na tomada de empréstimo num país de taxas baixas e investimento desse capital em mercado mais rentável, de forma a lucrar com o diferencial de juros.

Fornecendo apoio adicional para o mercado doméstico, investidores continuavam se mostrando aliviados em relação ao cenário político-fiscal, depois que o anúncio de apoio de Henrique Meirelles à campanha eleitoral do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) dissipou temores de que eventual governo do petista poderia ser muito danoso fiscalmente.

No entanto, é alta a probabilidade de que o Fed suba sua taxa de juros em, pelo menos, 0,75 ponto percentual ao fim de seu encontro desta quarta-feira, às 15h (horário de Brasília), o que pode impor cautela às negociações. Os mercados monetários precificam pequena chance de haver ajuste ainda maior, de 1 ponto completo.

Analistas da Guide Investimentos disseram em nota que investidores também devem ficar atentos às projeções econômicas que o Fed divulgará nesta quarta-feira. "A expectativa aqui é que as previsões de juros e inflação se elevem, em linha com o discurso mais 'hawkish' (agressivo com a inflação na condução da política monetária) que têm adotado os membros desde a última reunião."

Às 9:50 (de Brasília), o índice do dólar --que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas-- subia 0,45%, a 110,670.

Na véspera, a moeda norte-americana spot fechou em queda de 0,25%, a 5,1537 reais.