Mercado fechará em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    112.828,95
    +1.645,00 (+1,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.314,93
    -62,54 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,36
    +1,08 (+1,76%)
     
  • OURO

    1.710,30
    -5,50 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    49.060,69
    -1.790,22 (-3,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    985,59
    -1,62 (-0,16%)
     
  • S&P500

    3.804,23
    -15,49 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    31.245,01
    -25,08 (-0,08%)
     
  • FTSE

    6.622,70
    -52,77 (-0,79%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.544,00
    -137,75 (-1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7610
    -0,0177 (-0,26%)
     

Dólar, risco-país e juros futuros sobem após Bolsonaro falar sobre prorrogação do auxílio

JÚLIA MOURA
·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 24-01-20109 - Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 24-01-20109 - Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O mercado financeiro reflete a provável volta do auxílio emergencial nesta terça-feira (9). Dólar, risco-país e juros futuros operam em alta após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) dizer, nesta segunda (8), que deve prorrogar o auxílio emergencial.

No domingo (7), a Folha de S.Paulo revelou que o Ministério da Economia prepara uma proposta que libera três parcelas de R$ 200, com foco nos trabalhadores informais não atendidos pelo Bolsa Família.

Nesta terça, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que há muito pouco ou nenhum espaço para o auxílio sem algum tipo de contrapartida por causa da deterioração do quadro fiscal do país.

"Dólar e taxas longas de juros ficam pressionados por conta do temor advindo do debate sobre o retorno do auxílio. As contrapartidas desse novo auxílio ainda não foram apresentadas", diz Simone Passianotto, economista-chefe da Reag Investimentos.

O dólar chegou a subir para R$ 5,4470, mas reduziu ganhos após leilão de 20 mil contratos de swap cambial feito pelo Banco Central. Às 14h33, a moeda americana se valoriza 0,14%, a R$ 5,38.

O Ibovespa opera estável, a 119.758 pontos.

"Temos uma preocupação muito grande com o teto de gastos e isso pesa no dólar", diz Gustavo Bertotti, economista da Messem Investimentos.

O risco-país medido pelo CDS de cinco anos sobe 4% a 156 pontos, após acumular queda de 14% na semana passada.

O CDS funciona como um termômetro informal da confiança dos investidores em relação a economias, especialmente as emergentes. Se o indicador sobe, é um sinal de que os investidores temem o futuro financeiro do país, se ele cai, o recado é o inverso: sinaliza aumento da confiança em relação à capacidade de o país saldar suas dívidas.

Os juros futuros de longo prazo também operam em alta. Juros futuros são taxas de juros esperadas pelo mercado nos próximos meses e anos. São a principal referência para o custo de empréstimos que são liberados atualmente, mas cuja quitação ocorrerá no futuro.

O juro para janeiro de 2028 vai de 7,265% na véspera para 7,380% no momento.

"O maior impacto hoje no mercado diz respeito ao temor fiscal", diz Simone.

"A entrevista do Bolsonaro ontem [segunda], dizendo que vai ter auxilio emergencial em 2021, mesmo ressaltando a preocupação com o fiscal, foi uma mudança na retórica", diz Rodrigo Marcatti, presidente da Veedha Investimentos.

Para Marcatti, a queda na aprovação do presidente, observada em uma pesquisa da XP em parceria com o Ipespe, pode ajudar a uma volta mais rápida do auxílio.

Segundo o levantamento feito com 1.000 pessoas, o grupo de respondentes que consideram o governo Bolsonaro ruim ou péssimo passou de 40% em janeiro para 42% em fevereiro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Os que veem o governo como bom ou ótimo foram de 32% para 30% . Esse é o quarto levantamento consecutivo em que há aumento na avaliação negativa, que cresce desde outubro, quando atingia 31%.

A alta na reprovação é impulsionada principalmente pelo grupo dos mais pobres (entre os que ganham até dois salários mínimos ela saltou de 39% para 45%) e pelas regiões Norte-Centro-Oeste (32% para 40%) e Nordeste (43% para 48%).