Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.582,33
    -121,00 (-0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Dólar reverte perdas e supera R$5,30 em linha com virada externa após dados dos EUA

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar reverteu perdas de mais cedo e era negociado acima dos 5,30 reais nesta quarta-feira, acompanhando a mudança de sinal da moeda norte-americana no exterior na esteira de dados mais fortes do que o esperado sobre a economia dos Estados Unidos.

Às 11:57 (de Brasília), o dólar à vista avançava 0,48%, a 5,3023 reais na venda. A moeda foi a 5,3171 reais no pico do dia (+0,76%), depois de mais cedo ter chegado a recuar 0,63%, a 5,2440 reais.

Na B3, às 11:57 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,40%, a 5,3445 reais.

A reversão das perdas do dólar no mercado doméstico acompanhou movimento semelhante do índice da moeda norte-americana contra uma cesta de rivais fortes, que subia 0,30% por volta de 11h50 (de Brasília), abandonando baixa inicial.

O Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM, na sigla em inglês) informou nesta quarta-feira que o setor de serviços dos Estados Unidos acelerou inesperadamente em julho em meio a um forte crescimento das encomendas, enquanto os gargalos de oferta e as pressões sobre os preços diminuíram, sustentando a visão de que a economia norte-americana não está em recessão.

"Foi visível a reação então do mercado aos dados do PMI dos EUA", disse à Reuters Fernando Bergallo, diretor de operações da FB Capital. "Vieram acima do esperado, ratificando então a própria percepção dos dirigentes do Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA) de que o juro lá vai subir forte."

Várias autoridades do Fed têm indicado a necessidade de continuidade de seu intenso ciclo de aperto monetário, mesmo diante de temores de recessão. O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, por exemplo, disse nesta quarta-feira que o banco central será firme em aumentar sua taxa de juros para levar a inflação --nos maiores patamares em quatro décadas-- de volta à meta de 2%.

Num geral, quanto mais altos os juros em determinado país, mais atraente fica seu mercado de renda fixa, o que costuma atrair investimentos estrangeiros e beneficiar a moeda local.

No Brasil, o foco está sobre o encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, que começou na véspera e se encerra nesta quarta-feira, no fim da tarde. A expectativa em pesquisa da Reuters é de que a taxa Selic seja elevada em 0,5 ponto percentual ao fim do encontro, a 13,75%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos