Mercado abrirá em 6 h 16 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,56
    +0,09 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.891,30
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    22.615,10
    -607,44 (-2,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    520,77
    -16,12 (-3,00%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.480,36
    +196,84 (+0,92%)
     
  • NIKKEI

    27.574,82
    -31,64 (-0,11%)
     
  • NASDAQ

    12.593,75
    +48,50 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5769
    +0,0095 (+0,17%)
     

Dólar cai mais de 1% frente ao real com continuação de ajuste e acenos do governo Lula

Cédulas e moedas de dólares

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar recuava mais de 1% frente ao real nesta quinta-feira, conforme investidores continuavam ajustando posições na esteira de disparada da moeda no início da semana, reverberando ainda acenos do novo governo à manutenção de reformas e outras medidas de gestões anteriores.

Às 10:21 (de Brasília), o dólar à vista recuava 1,04%, a 5,3947 reais na venda, depois de ter saltado mais de 3% no acumulado das duas primeiras sessões da semana. Na véspera, a divisa norte-americana já havia interrompido o rali recente ao fechar com variação negativa de 0,04%, a 5,4513 reais na venda.

Na B3, às 10:21 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,66%, a 5,4245 reais.

Segundo Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset, os ativos brasileiros ganharam fôlego "após membros do governo reverterem diversos discursos de posse que tanto influenciaram as reações negativas dos investidores".

Ele destacou a fala do ministro da Casa Civil, Rui Costa, que disse não haver nenhuma proposta sendo pensada nesse momento para revisão de reformas, incluindo a da Previdência. Mais cedo nesta semana, críticas do novo ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, à reforma da Previdência do governo Jair Bolsonaro haviam azedado o humor dos investidores.

Além disso, o senador Jean Paul Prates (PT-RN), indicado pelo novo governo para comandar a Petrobras, disse que não haverá intervenção nos preços dos combustíveis.

"No ano passado, o PT fez uma série de 'balões de ensaio' com o mercado financeiro, como fazia no passado, testando nomes, propostas e números e, aparentemente, continua a atuar em tal expediente... Quando (o mercado) reage negativamente a tais discursos desastrados e propostas fora da realidade e afetando os ativos, ocorrem os recuos como o observados ontem", escreveu Vieira.

Após divergências públicas entre ministros, Lula marcou para sexta-feira sua primeira reunião ministerial, onde pretende iniciar a articulação do governo. Agentes do mercado enxergam o encontro como uma tentativa do presidente de "colocar ordem na casa", e devem ficar atentos a qual será o tom das autoridades após o alinhamento desta semana.

"O mercado local segue afetado pelos discursos políticos e sinalizações sobre os próximos passos do novo governo", disse o Banco Inter em nota, chamando a atenção para um cenário misto no exterior.

Os futuros de Wall Street tinham pouca alteração nesta manhã, enquanto o índice do dólar contra uma cesta de seis pares fortes operava em leve alta, um dia depois de o Federal Reserve divulgar a ata de sua última reunião de política monetária.

O documento mostrou que todas as autoridades presentes na reunião de política monetária de 13 e 14 de dezembro concordaram que o banco central dos Estados Unidos deveria diminuir o ritmo de seus aumentos agressivos da taxa básica de juros, permitindo que o custo do crédito continue a ser elevado para controlar a inflação, mas de maneira gradual para limitar riscos ao crescimento econômico.

Segundo o Inter, houve uma "releitura" da ata do Fed de que o banco central "segue preocupado com inflação, mas deve reduzir o ritmo (de aperto) e não prejudicar tanto a economia".