Mercado abrirá em 7 h 54 min
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,11
    -0,39 (-0,43%)
     
  • OURO

    1.766,40
    -4,80 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    22.817,03
    -568,33 (-2,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    542,46
    -15,27 (-2,74%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.852,92
    +89,01 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.943,79
    +1,65 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.494,50
    -28,75 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    -0,0023 (-0,04%)
     

Dólar recua em dia de decisão de juros pelo BC

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar caía contra o real logo após a abertura desta quarta-feira (3), embora o movimento não compensasse o forte salto registrado na véspera.

Investidores aguardam conclusão da reunião de política monetária do Banco Central do Brasil, que acontecerá após o fechamento dos mercados e definirá os juros.

Às 9h12, o dólar à vista recuava 0,44%, a R$ 5,2540 na venda.

Na B3, às 9h12, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,50%, a R$ 5,2965.

A moeda norte-americana spot fechou a última sessão em alta de 1,93%, a R$ 5,2771, valorização mais forte desde 11 de julho (+1,94%) e patamar de encerramento mais alto desde 26 de julho (R$ 5,3518).

O Banco Central realizará neste pregão leilão de até 15 mil contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 1° de setembro de 2022.

Nesta terça-feira (2), as tensões crescentes entre Estados Unidos e China pressionaram a alta da taxa de câmbio no Brasil. O dólar à vista saltou 1,93%, a R$ 5,2770 na venda.

Declarações de dois membros do Fed (Federal Reserve, o banco central americano) também favoreceram a alta do dólar ao indicarem ao mercado a disposição da autoridade monetária em continuar a elevar os juros nos Estados Unidos. O país tenta restringir a atividade econômica para controlar a maior inflação em 40 anos.

No mercado de ações, o índice Ibovespa subiu 1,11%, a 103.483 pontos. No exterior, porém, as principais Bolsas caíram diante das preocupações com Taiwan.

A busca de investidores por empresas que "estão amassadas" na Bolsa brasileira explica a resistência do Ibovespa em um dia tenso, segundo Marcus Labarthe, sócio da GT Capital.

Em Nova York, o indicador S&P 500, parâmetro para o mercado acionário americano, caiu 0,67%. Na Europa, o índice que acompanha as 50 principais empresas da região perdeu 0,59%.

O principal evento desta semana para o mercado brasileiro é a divulgação da nova taxa básica de juros, prevista para depois das 18h30 desta quarta. É unânime a aposta na elevação de 0,50 ponto percentual, conduzindo a taxa a 13,75% ao ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos