Mercado fechará em 3 h 42 min
  • BOVESPA

    113.436,41
    +153,73 (+0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.526,28
    +420,57 (+0,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,24
    +1,26 (+1,70%)
     
  • OURO

    1.752,80
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    43.331,25
    +5,90 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.075,71
    -25,81 (-2,34%)
     
  • S&P500

    4.449,25
    -6,23 (-0,14%)
     
  • DOW JONES

    34.975,08
    +177,08 (+0,51%)
     
  • FTSE

    7.063,40
    +11,92 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.208,78
    +16,62 (+0,07%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.155,75
    -163,00 (-1,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2690
    +0,0134 (+0,21%)
     

Dólar recua após disparada da véspera, mas clima segue tenso com risco político elevado

·3 minuto de leitura

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar ampliou as perdas contra o real no fim da manhã desta quinta-feira, com operadores realizando lucros depois da disparada da moeda norte-americana na véspera, mas o clima nos mercados segue azedo em meio à grande tensão institucional doméstica, agravada recentemente por discurso mais agressivo do presidente Jair Bolsonaro.

Às 11:37, o dólar recuava 0,97%, a 5,2722 reais na venda. Na mínima do dia, a divisa foi a 5,2610 reais na venda, queda de 1,18%.

Segundo Vanei Nagem, responsável pela mesa de câmbio da Terra Investimentos, a queda do dólar nesta quinta-feira seria apenas uma pequena realização de lucros, com o clima nos mercados ainda extremamente pessimista. Na quarta-feira, o dólar à vista saltou 2,84% no fechamento, para 5,3236 reais, maior valorização percentual diária desde 24 de junho de 2020 (+3,33%).

Alexandre Netto, chefe de câmbio da Acqua-Vero Investimentos, também enxerga o movimento desta manhã como um ajuste, apoiado em parte pela leve queda do índice do dólar no exterior, mas disse que é “uma correção ainda tímida” comparada com a alta de quarta.

“O cenário ainda ruim deve manter o dólar próximo dos 5,30 reais e com viés de alta; uma prévia bastante temerosa do que há por vir durante a corrida eleitoral”, disse.

Para Nagem, da Terra, “a tendência do mercado é ir ainda mais para cima, e o dólar pode buscar uns 5,40 reais” no curto prazo.

Marcos Weigt, chefe de tesouraria do Travelex Bank, concorda que as tensões em Brasília devem continuar atrapalhando o desempenho do real. “Acho muito difícil o dólar ficar abaixo dos 5,30 reais no curto prazo, a não ser que haja uma grande virada de jogo na política”, opinou.

Segundo ele, não fosse o intenso ciclo de elevação de juros do Banco Central –que aumenta a atratividade do real para estratégias de “carry trade” (que buscam lucros com diferenciais de taxas de juros)–, o dólar estaria em patamar ainda mais elevado.

Os investidores –que já apresentavam cautela sobre o cenário doméstico há semanas em meio a temores sobre a capacidade do governo de honrar suas obrigações e respeitar o teto fiscal– intensificaram o resguardo na esteira de discurso de Bolsonaro em atos do dia 7 de setembro.

Na ocasião, Bolsonaro atacou, diante de apoiadores, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso e ameaçou descumprir decisões.

Nesta quinta-feira, Barroso revidou e disse que Bolsonaro descumpre a palavra dada ao manter o que chamou de “campanha insidiosa” contra o sistema eletrônico de votação.

Elevando a apreensão dos mercados, a madrugada contou com paralisações em estradas de vários Estados brasileiros por caminhoneiros em apoio ao governo. O presidente vai se reunir ainda na manhã desta quinta-feira com representantes da categoria, disse Bolsonaro a apoiadores.

(Edição de José de Castro)

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos