Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.216,46
    +175,53 (+0,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Dólar recua ante real no dia, mas caminha para 4ª semana de ganhos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar alternava estabilidade e leve queda contra o real nesta sexta-feira (24), mas caminhava para sua quarta semana consecutiva de ganhos, depois que temores de que juros mais altos nas principais economias levem a uma recessão abalaram o sentimento global, cenário agravado por receios políticos e fiscais domésticos.

Investidores reagiam nesta manhã à notícia de que o IPCA-15 subiu 0,69% em junho, sobre alta de 0,59% no mês anterior e expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,62%.

Às 9h09 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,18%, a R$ 5,2198 na venda.

Na B3, às 9h09 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,45%, a R$ 5,2290.

O dólar negociado no mercado interbancário fechou a última sessão em alta de 0,97%, a 5,2291 reais, máxima para encerramento desde 11 de fevereiro deste ano (5,2428)

A Bolsa de Valores brasileira recuou nesta quinta-feira (23) ao seu menor nível desde o início de novembro de 2020. O índice de referência Ibovespa encerrou a sessão aos 98.080 pontos, com desvalorização diária de 1,45%.

Como é comum em momentos de aversão aos investimentos mais arriscados, o dólar comercial apresentou ganhos frente à maior parte das moedas emergentes.

Declarações do presidente do Fed (Federal Reserve, o banco central americano) ao Congresso dos Estados Unidos alarmaram investidores quanto à aceleração da escalada dos juros no país e, consequentemente, para o risco do tombo que esse aperto ao crédito pode provocar na economia mundial.

Jerome Powell disse ao comitê de serviços financeiros da Câmara dos Deputados que o controle da inflação mais alta em 40 anos no país deve ser "incondicional".

Em Nova York, porém, o índice de referência da Bolsa subiu 0,95%. Cabe ressaltar que a ligeira recuperação ocorreu sobre um patamar baixo. O S&P 500 acumula queda de 20% neste ano.

No início da noite desta quinta, o preço de referência do barril do petróleo bruto era negociado com desvalorização de 1,77%, cotado US$ 109,76 (R$ 568,85), depois de ter caído 2,54% na véspera.

A baixa da commodity também resulta da expectativa de desaceleração da economia global. Na última sexta, o barril do Brent já havia tombado 5,58%. No acumulado deste ano, porém, a matéria-prima ainda tem valorização de quase 40%.

Outras matérias-primas também enfrentam desvalorização diante da crise. É o caso do minério de ferro, cujas sucessivas baixas resultam do temor de que a fraqueza no crescimento da economia diminua a demanda pelo aço na China, maior comprador e produtor mundial do metal.

Acompanhando as perdas do setor de commodities, a mineradora Vale despencou 3,65% na Bolsa nesta quinta. As ações mais negociadas da Petrobras caíram 1,86%. As duas companhias tiveram o maior impacto na baixa diária do Ibovespa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos