Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.162,38
    +144,10 (+0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Dólar acompanha exterior e recua ante real com volatilidade e reajustes no radar

Luana Maria Benedito
·3 minuto de leitura
Dólar recua ante real, mas investidores ficam de olho em volatilidade e reajustes

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar era negociado em queda contra o real nesta terça-feira, em meio ao maior apetite por risco no exterior em pregão que pode contar com volatilidade devido à baixa liquidez de fim de ano e possível pressão compradora diante de reajustes de posições previstos para os últimos dias de 2020.

Enquanto isso, os investidores acompanhavam desdobramentos positivos no exterior, como o encaminhamento para votação no Senado norte-americano de um pacote aprimorado de estímulo econômico.

Às 10:24, o dólar recuava 0,89%, a 5,1937 reais na venda, enquanto o principal contrato de dólar futuro perdia 0,88%, a 5,1935 reais.

Na véspera, a divisa norte-americana à vista teve alta de 0,66%, a 5,2406 reais na venda, depois de ter chegando a saltar mais de 2% nas máximas do pregão, comportamento que levou o Banco Central a marcar presença com um leilão de moeda à vista em que vendeu 530 milhões de dólares.

Sidnei Moura Nehme, economista e diretor executivo da NGO Corretora de Câmbio, disse que, "evidentemente, houve ontem e nos últimos dias e continuará havendo demanda (por dólares) que deve se acentuar nestes últimos dias do ano."

Ele citou a influência do movimento de desmonte do 'overhedge' de bancos, que é uma proteção cambial adicional que deixou de ser interessante depois de mudanças, anunciadas no começo de 2020, em regras tributárias. Zerar o 'overhedge' implica compra de dólares.

Assim, vários analistas apontavam a possibilidade de nova intervenção do Banco Central nesta terça-feira caso alguma pressão compradora impulsione o dólar exageradamente contra o real, enquanto a baixa liquidez de fim de ano colaborava para a expectativa de volatilidade ou oscilações bruscas no mercado de câmbio.

O Banco Central já havia anunciado para este pregão leilão de swap tradicional de até 16 mil contratos com vencimento em maio e setembro de 2021.

No exterior, a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, liderada pelo Partido Democrata, aprovou na segunda-feira uma proposta do presidente Donald Trump para o pagamento de 2 mil dólares em auxílio para norte-americanos afetados pela pandemia de Covid-19, enviando a medida para votação no Senado controlado pelos republicanos.

Trump já havia sancionado um pacote de gastos e auxílio econômico de 2,3 trilhões de dólares no fim de semana, o que ajudou a elevar o ânimo dos mercados internacionais nesta reta final de 2020.

Diante do otimismo em torno de mais medidas de resgate na maior economia do mundo, o índice do dólar contra uma cesta de moedas operava em queda de 0,25% nesta manhã, enquanto peso mexicano, lira turca e dólar australiano, pares arriscados do real, registravam alta.

Por aqui, a cena política ficava no radar dos investidores em meio à disputa pela presidência da Câmara dos Deputados. O presidente Jair Bolsonaro declarou em público seu apoio à candidatura do líder do PP, Arthur Lira (AL), e colocou o atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao lado de seus inimigos tradicionais PT, PCdoB e PSOL.

Trocas de farpas constantes entre o Executivo e o Legislativo, especulações sobre tensões internas no governo Bolsonaro e temores em relação à saúde das contas públicas do Brasil foram apontados como fatores de pressão para o real no ano de 2020, assim como o patamar extremamente baixo da taxa Selic.

O dólar sobe aproximadamente 30% contra o real no acumulado do ano.