Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,14
    -0,41 (-0,92%)
     
  • OURO

    1.815,90
    -3,00 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    18.865,92
    -533,85 (-2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    371,42
    -8,44 (-2,22%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,18 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    +353,94 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.444,75
    -7,50 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3073
    -0,0539 (-0,85%)
     

Dólar tem leve queda ante real mas caminha para fechar semana agitada em alta

Por Luana Maria Benedito
·2 minuto de leitura

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar era negociado com leve queda contra o real nesta sexta-feira, mas caminhava para fechar uma semana agitada -- de foco na vitória de Joe Biden nas eleições norte-americanas e em notícia de sucesso em uma vacina para a Covid -- em alta.

Às 10:12, o dólar recuava 0,26%, a 5,4651 reais na venda.

Embora a semana tenha sido marcada por motores positivos nos mercados financeiros globais, como a perspectiva de relações comerciais mais calmas sob uma gestão democrata nos Estados Unidos e notícias de sucesso de mais de 90% em uma vacina para a Covid-19 da Pfizer, o dólar caminhava para registrar alta semanal de quase de 1,5%, depois de ter fechado a última sexta-feira em 5,39 reais na venda.

Segundo nota de Sidnei Nehme, economista e diretor-executivo da NGO Corretora, um dos motivos para a recuperação da busca por segurança, que pode se traduzir na valorização do dólar, é o "temor efetivo do risco acentuado do retorno da pandemia do coronavírus", que deixou a eleição de Joe Biden a presidente dos EUA em segundo plano.

O temor dos investidores é de que medidas para contenção da pandemia nas principais economias do mundo, como nos Estados Unidos e na Europa, possa minar a recuperação econômica diante de uma forte recessão.

Além disso, escreveu Nehme, "no Brasil há a já presente e substantiva dificuldade por parte do governo de administrar o déficit fiscal atual, o que o mantém sob efetivo risco de romper o teto orçamentário, e que vem ensejando fortes ruídos políticos e larga apreensão do mercado financeiro."

Dúvidas sobre como o governo conciliaria gastos com um novo pacote de auxílio econômico a um Orçamento apertado para 2021 têm dominado o radar dos investidores domésticos -- que seguem frustrados com atrasos na agenda de reformas estruturais -- há meses.

Na quinta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o plano do governo para auxílio emergencial atualmente é encerrá-lo ao fim deste ano, com retorno ao Bolsa Família como programa de transferência de renda.

Guedes também reconheceu que a classe política tomou a decisão de discutir a eventual estruturação de um novo programa de transferência de renda mais à frente, já que o momento é de eleições municipais.

Nesta sexta-feira, o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, disse que o país precisa urgentemente de reformas ou ficará em uma situação muito complicada em termos fiscais, de geração de emprego e renda.

No ano de 2020, o dólar acumula salto de cerca de 36% contra o real.

O dólar negociado no mercado interbancário fechou a última sessão em alta de 1,15%, a 5,4792 reais na venda.

O contrato mais líquido de dólar futuro ganhava 0,08%, a 5,4665 reais.

Neste pregão, o Banco Central fará leilão de swap tradicional para rolagem de até 12 mil contratos com vencimento em abril e agosto de 2021.