Mercado fechado

Dólar anula queda e ronda estabilidade em dia volátil por temores sobre pandemia

Por Luana Maria Benedito

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar anulou quase toda a queda de mais cedo e passava a oscilar em torno da estabilidade ante o real nesta sexta-feira, depois de cair quase 3%, à medida que os mercados externos exibiam trégua conforme estímulos de bancos centrais em todo o mundo compensavam temores em relação ao coronavírus.

Às 14:25, o dólar recuava 0,07%, a 4,7822 reais na venda.

A divisa norte-americana havia iniciado o dia com perdas significativas contra o real, chegando a tocar 4,6437 reais na mínima do dia, queda de 2,97%.

Na quinta-feira, o Federal Reserve surpreendeu os mercados ao anunciar oferta nesta semana de 1,5 trilhão de dólares em operações no mercado monetário, enquanto no Brasil o Banco Central recorreu a uma terceira ferramenta de intervenção cambial ao ofertar até 2 bilhões de dólares por meio de leilões de linhas nesta sexta-feira.

Apesar de ter fornecido certo alívio mais cedo, a medida do Fed era ofuscada por notícia de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai declarar nesta sexta-feira emergência nacional devido ao rápido avanço do surto do coronavírus, segundo uma fonte familiarizada com o assunto.

Depois da divulgação da notícia, o dólar chegou a tocar 4,8067 reais, máxima intradia, alta de 0,44%, passando a oscilar entre leve altas e baixas.

"Como o coronavírus é uma doença nova, ainda não é possível saber qual seu impacto efetivo para a economia", disse em nota a Levante Investimentos. "Incerteza afeta os preços e aumenta a volatilidade no curto prazo."

Guilherme Esquelbek, da Correparti Corretora, afirmou que "a volatilidade deverá permanecer pois não há fato novo que aponte o fim dessa turbulência".

A volatilidade implícita nas opções de dólar/real de três meses --uma medida do grau de incerteza no mercado de câmbio-- caía a 18% ao ano nesta sexta, depois de mais cedo ter superado 20,5%, máxima desde outubro de 2018, e mais que o dobro dos patamares vistos no fim de fevereiro.

Na quinta-feira, o dólar fechou em alta de 1,38% contra a moeda brasileira, a 4,7857 reais na venda, novo recorde histórico para encerramento, e chegou a superar mais de 5 reais na máxima do pregão.