Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,82
    +2,33 (+2,93%)
     
  • OURO

    1.670,70
    -1,30 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    19.170,72
    -122,80 (-0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    10.996,50
    -39,00 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    +0,0060 (+0,11%)
     

Dólar segue exterior e recua com expectativa por conferência de Jackson Hole

Nota de dólar

(Repete matéria sem alteração para acrescentar queda no título)

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar passava a cair frente ao real nesta quinta-feira, depois de trocar de sinal várias vezes ao longo da manhã, acompanhando a movimentação da divisa norte-americana no exterior conforme investidores aguardavam sinalizações de um encontro de banqueiros centrais organizado pelo Federal Reserve.

Depois de tocar os 5,08575 reais na mínima do dia (-0,49%), alcançada logo após a abertura, a moeda norte-americana ganhou fôlego durante a manhã e foi aos 5,1444 reais no pico do pregão (+0,66%), antes de reverter totalmente seus ganhos. Às 12:00 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,08%, a 5,1065 reais na venda.

Na B3, às 12:00 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,19%, a 5,1145 reais.

O dólar negociado no mercado doméstico seguia a movimentação de um índice que compara a divisa norte-americana com uma cesta de rivais fortes, que, depois de chegar a ser negociado perto da estabilidade mais cedo, perdeu ímpeto e passava a operar em território firmemente negativo. Às 12h56 (de Brasília), o índice do dólar caía 0,27%, a 108,340.

Alguns pares latino-americanos do real, como pesos chileno e colombiano, também devolveram perdas iniciais frente ao dólar e passaram a subir nesta quinta-feira. Nos mercados emergentes mais amplos o ambiente também era de fraqueza da moeda norte-americana, com dólar australiano e rand sul-africano ganhando 0,9% cada.

O foco de investidores estava no simpósio anual de Jackson Hole, um encontro de banqueiros centrais organizado pelo Federal Reserve, cujo chair fará discurso no evento na sexta-feira. As falas de Jerome Powell e de outras autoridades serão avaliadas em busca de sinais sobre os próximos passos da política monetária nos Estados Unidos, disseram estrategistas da Travelex, ressaltando que a expectativa pelas indicações da conferência pode elevar a volatilidade nos mercados.

A maior parte dos investidores espera que o Fed reforce uma mensagem dura no combate à inflação em Jackson Hole, apesar de dados referentes a julho terem mostrado inalteração dos preços ao consumidor dos EUA, um alívio em relação à disparada de 1,3% de junho.

"A questão a ser respondida agora é como o Fed vê essa desaceleração (da inflação)", disse a Levante Investimentos em relatório. "Se a percepção do banco central americano for de que é apenas uma queda pontual, isso vai significar uma continuidade da elevação dos juros e do aperto na política monetária."

Dados desta quinta-feira mostraram que a economia dos Estados Unidos contraiu a um ritmo mais moderado do que inicialmente se pensava no segundo trimestre, apoiada pelos gastos dos consumidores. Essa leitura, embora colaborasse para a redução de temores de recessão global, pode se somar à lista de argumentos a favor de manutenção de uma postura de política monetária agressiva por parte do Fed.

(Edição de Camila Moreira)