Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.745,66
    +1.288,46 (+2,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Dólar recua 1,37% e atinge a menor cotação em duas semanas

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar recuou 1,37% nesta terça-feira (6) e encerrou cotado a R$ 5,6010, no menor patamar em duas semanas. O recuo veio seguindo a fraqueza global da moeda americana em meio à busca por risco na esteira da melhora das perspectivas para a economia mundial. O patamar de fechamento é o menor desde o último dia 23 de março, quando esteve em R$ 5,5168. A taxa de câmbio também repercutiu notícias de que o presidente Jair Bolsonaro vetará parcialmente o polêmico texto do Orçamento 2021, que foi aprovado duas semanas atrás pelo Congresso e colocou em rota de colisão o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Guedes voltou a fazer declarações públicas nesta terça, assim como o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, mas sem grandes repercussões no mercado. No exterior, o índice do dólar operava nas mínimas desde também o dia 23 de março, enquanto o índice S&P 500 da Bolsa de Nova York se manteve perto de recordes, após o FMI (Fundo Monetário Internacional) projetar que o PIB mundial aumentará 6% neste ano, taxa não vista desde a década de 1970, graças principalmente a respostas de política econômica sem precedentes à pandemia de Covid-19. O organismo também elevou as estimativas de expansão para América Latina, mercados emergentes e Brasil, embora a melhora no prognóstico para a economia brasileira tenha sido marginal. O mercado também continuou a monitorar o noticiário sobre o Orçamento federal. O dólar foi às mínimas do dia com informações de que Bolsonaro vetaria parte do texto aprovado pelo Congresso —conforme desejado por Guedes—, mas a sensação ainda é de desconforto sobre o valor de emendas a ser cortado da peça e como serão financiados programas como o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), voltado a pequenas empresas. "O dólar poderia ter caído mais se não fosse essa preocupação fiscal. O mercado melhorou, mas o fato é que nada de efetivo foi anunciado", disse João Leal, economista da gestora Rio Bravo, que tem na conta um mínimo de R$ 20 bilhões em redução das emendas parlamentares e um modesto alívio extra para o dólar –para 5,55 reais no curto prazo. Ainda neste cenário e também repercutindo o ambiente mais otimistas em relação à recuperação da economia no exterior, a Bolsa de Valores brasileira encerrou a sessão desta terça (6) praticamente estável (-0,02%), aos 117.498 pontos. No exterior, os índices americanos S&P, Dow Jones e Nasdaq fecharam com quedas de 0,10%, 0,29% e 0,05%, respectivamente.