Mercado abrirá em 2 h 25 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,73
    +0,46 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.869,10
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    45.275,84
    +229,97 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.260,88
    +62,97 (+5,26%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.060,01
    +27,16 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.392,50
    +89,00 (+0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4424
    +0,0325 (+0,51%)
     

Dólar pode cair a R$5,35-R$5,40 em "janela benigna" local, diz gestor da AZ Quest

·1 minuto de leitura
Nota de dólar é retratada em frente a gráfico de preço de ações

SÃO PAULO (Reuters) - A gestora AZ Quest aumentou posições que ganham com a queda do dólar, citando que a moeda poderia cair a 5,35 reais-5,40 reais durante uma "janela benigna" para o mercado brasileiro de câmbio.

"Estamos aumentando posições cautelosamente otimistas principalmente em bolsa e câmbio", disse Bernardo Zerbini, um dos responsáveis pela estratégia macro da AZ Quest.

"Tínhamos uma posição um pouco menor no real, agora aumentamos. Estavam exageradas as medidas de preço (da taxa de câmbio), considerando métricas como termos de troca e outras."

Assim, o argumento para a melhora na avaliação de curto prazo do real tem importante componente técnico. Várias instituições financeiras dizem que o real é ou está entre as moedas mais baratas do mundo emergente, depois de depreciar mais de 20% no ano passado e cair mais 5% em 2021.

Mas Zerbini ressalvou que a posição é "cautelosa" porque a incerteza sobre o cenário "aumentou muito" depois dos eventos recentes relacionados ao Orçamento.

"Entendemos que essa janela pode ser de dois a seis meses. Não é um call de longo prazo. Está difícil não ser tático no Brasil", disse, referindo-se a um posicionamento que busca lucrar com distorções de preços no curto prazo.

O gestor lembrou que outro fator positivo ao câmbio é a normalização da política monetária, mas ponderou que uma Selic no fim de ano abaixo de 5%-5,50% pode voltar a pressionar a moeda.

"Se isso acontecer, por um BC dovish (menos reativo à inflação) ou por um alívio na inflação, então o real não vai andar."

(Por José de Castro)