Mercado abrirá em 4 h 9 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,75
    +0,48 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.868,80
    +1,20 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    44.976,12
    -441,20 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.250,58
    +52,67 (+4,40%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.062,11
    +29,26 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.405,25
    +101,75 (+0,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0178 (+0,28%)
     

Dólar pode cair mais, mas é incerto se aposta pró-real compensa risco, diz gestor da Rio Bravo

José de Castro
·2 minuto de leitura
Notas de reais e dólares retratadas em casa de câmbio no Rio de Janeiro

Por José de Castro

(Reuters) - O dólar ainda tem espaço para cair, mas há dúvidas se uma posição favorável ao real neste momento compensa o risco, disse Evandro Buccini, diretor de renda fixa e multimercado da Rio Bravo.

Desde a máxima recente, de 29 de março (5,7681 reais), o dólar recua 5,2%, cotado nesta quinta a 5,4687 reais.

"Os problemas políticos e fiscais vão continuar, porque é meio que a realidade brasileira. A gente bateu no teto de gastos, teve de fazer gastos adicionais com a pandemia. É natural que isso não se submeta ao teto, dada a gravidade do problema, mas a forma como isso foi conduzido às vezes não foi a ideal", disse.

Outro ponto de incerteza sobre a extensão de um rali do real vem do exterior.

"Lá nos Estados Unidos a discussão de inflação, de aumento da curva de juros, dos juros futuros, esfriou bastante. Mas é algo que pode voltar ao radar, especialmente com essas novas discussões de estímulos em diferentes frentes nos EUA", acrescentou Buccini.

Com isso, o gestor disse que por ora não carrega grandes posições em câmbio nos fundos multimercados da casa. Mas ele considerou que a esperada melhora da atividade econômica --com a reabertura dos negócios e à medida que os números da Covid-19 deixam os picos-- ainda pode tirar pressão dos mercados.

"Vai tirar um pouco (da pressão). A maior parte da pressão sobre os ativos não vem daí (pandemia), mas um pouco, sim, sobretudo dessa intersecção política-fiscal-pandemia."

De forma geral, a Rio Bravo reduziu nos multimercados posições favoráveis à bolsa e as compensou com montagem de posições direcionais doadas em juros nominais --especialmente no "20 alto" da curva, como os vencimentos em 2027 e 2028-- e reais --em torno do vértice 2030.

"Apesar de não termos uma visão superpositiva para o fiscal, com a melhora da pandemia há também uma melhora do humor sobre os gastos usados para combater (a crise sanitária). Isso melhora um pouquinho os preços", afirmou o gestor.

Buccini não descarta que o Banco Central possa ser levado a estender o ciclo de normalização da Selic, o que seria positivo para o real sob certas circunstâncias.

"A gente tem que ver como vai se comportar a inflação nessa situação. Se o BC precisar elevar mais os juros por causa de uma inflação que vem com a recuperação econômica, acho que é bom para o câmbio. Além dos juros mais altos, teríamos crescimento."