Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    -0,13 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    38.956,58
    +2.985,10 (+8,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    -1,50 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1913
    +0,0378 (+0,61%)
     

Dólar perde força no começo da tarde atento a exterior

·2 minuto de leitura
Ilustração de cédulas de dólar dos EUA

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar abandonou a alta de mais cedo e operava em queda no começo da tarde desta terça-feira, em dia de fraqueza da moeda norte-americana no exterior por leituras de que mais inflação nos Estados Unidos deve corroer o valor do ativo.

Os olhos do mercado estão voltados para a leitura do índice de preços ao consumidor norte-americano referente a abril, que será divulgado na quarta-feira. Na avaliação de analistas, um número moderadamente mais alto não deve mexer com os planos do banco central dos Estados Unidos (Fed) de manter os juros perto de zero e seguir comprando títulos, o que tende a manter o dólar sob pressão.

Aqui, operadores seguem atentos ao noticiário sobre reformas, que por ora tem endossado visões de que o dólar ainda tem espaço adicional para quedas, embora mais limitado depois do tombo recente da cotação.

Às 13:15, o dólar recuava 0,26%, a 5,2193 reais na venda. A moeda oscilou entre 5,2823 reais (+0,94%) e 5,2041 reais (-0,55%). Lá fora, um índice do dólar recuava 0,2%, para mínimas em dez semanas.

Os ganhos da divisa pela manhã no Brasil se deram já com a ata da última reunião de política monetária do Banco Central divulgada. Para alguns players, o documento não chegou a corroborar expectativas de um tom ainda mais austero da autoridade monetária em relação à inflação e, por tabela, à política monetária.

Um IPCA menos pressionado de alguma forma ratificou a retórica do BC na ata.

O dólar teve na semana passada a maior desvalorização desde dezembro e apenas na quinta perdeu 1,6%, um dia depois de o BC abrir a possibilidade de um ciclo mais robusto de aperto monetário.