Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.152,71
    +384,65 (+2,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Dólar perde força com possível vitória de Biden

JÚLIA MOURA
·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Dólar perde força com possível vitória de Biden. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Dólar perde força com possível vitória de Biden. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Desde que Joe Biden, candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, passou a liderar a apuração, o dólar se desvaloriza antes seus principais pares globais. O índice DXY, que mede a força internacional da moeda americana, recua 1,6% desde terça-feira (3), quando o país foi às urnas.

O mesmo ocorre no Brasil. Por volta das 12h50 desta quinta (5), o dólar cai 1,9%, a R$ 5,55. Na mínima, chegou a R$ 5,54. Na véspera, a moeda caiu 1,8% ante o real. O turismo está a R$ 5,71.

Segundo especialistas, dois fatores explicam o movimento: o primeiro deles é a tradição democrata de ampliar gastos do governo federal para impulsionar a economia. O segundo é a definição de um vencedor que não tem maioria na Câmara e no Senado, o que dificulta mudanças mais abrangentes na legislação do país.

"O partido democrata usa mais o balanço fiscal para impulsionar a economia e isso faz com que você tenha um país mais endividado, emitindo mais moeda, o que leva o dólar a se desvalorizar", diz Thomás Gibertoni, especialista da Portofino Multi Family Office.

A expectativa de que a vitória democrata na presidência, Câmara e Senado estimularia gastos governamentais e levaria a uma alta na inflação levou o rendimento dos títulos do Tesouro americano a subir na terça. O rendimento do título de 10 anos foi acima dos 0,9% no início da contagem, sua marca mais alta desde junho. No momento, o juro deste papel está a 0,77% ao ano.

Apesar da contestação da apuração pelo oponente e atual presidente, o republicano Donald Trump, analistas dizem que há menos aversão a risco no mercado, o que leva investidores a se desfazerem do investimento em dólar como proteção ao cenário conturbado de pandemia e eleições.

"O dólar foi o primeiro escape do investidor no movimento de incerteza, com a alta nos casos de coronavírus na Europa. Hoje, vejo esta desvalorização da moeda como um movimento de correção, porque o mercado espera a vitória do Biden, que vem mais positiva do que o desenhado, pelo Senado ser republicano", diz Stefany Oliveira, Analista de Investimentos da Toro.

Segundo Stefany, a queda de mais de 3% da moeda no Brasil nesta semana é um reflexo da realização de lucros dos investidores. "É a incerteza que levou o dólar a subir e agora o mercado está bem certo do que vai acontecer".

No ano, a divisa americana se valorizou ante a maior parte das moedas emergentes, vistas como muito arriscadas em um contexto de crise econômica e incerteza. Contra o real, o dólar sobe 38% em 2020.

"A entrada do Binden tira a pressão que vimos nos últimos anos com a política protecionista do Trump, principalmente esfriando a guerra comercial com a China, desta forma a expectativa de um clima mais calmo faz que os investidores saiam da posição de proteção em dólar e voltem a países emergentes", diz Fabrizio Velloni, economista-chefe da Frente Corretora.