Mercado abrirá em 6 h 52 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,41
    -0,06 (-0,08%)
     
  • OURO

    1.890,90
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    22.599,58
    -660,70 (-2,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    520,12
    -16,78 (-3,12%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.356,79
    +73,27 (+0,34%)
     
  • NIKKEI

    27.542,51
    -63,95 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.576,25
    +31,00 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5769
    +0,0095 (+0,17%)
     

Dólar perde força ante o real e caminha para 2ª semana de queda

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar apagou alta vista mais cedo e alternava na tarde desta sexta-feira certa estabilidade e leve recuo ante o real, ainda surfando cenário mais positivo que ajudou a divisa brasileira a avançar 3% nos últimos três pregões.

Às 15:28 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,10%, a 5,0951 reais na venda. Na semana, caminhava para sua segunda semana seguida de queda, com declínio de 2,8%.

Na B3, às 15:28 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,33%, a 5,1135 reais.

O real caiu quase 1% pela manhã, refletindo correção após três quedas seguidas, bem como uma valorização do dólar frente às principais moedas e indicador doméstico de atividade econômica abaixo do esperado.

No entanto, recuperou terreno próximo ao horário do almoço, em movimento que ocorreu junto com a redução dos ganhos da moeda norte-americana no exterior.

Uma leitura de inflação dos Estados Unidos abaixo do esperado pelo mercado impulsionou o real e outras moedas frente ao dólar na quinta-feira, uma vez que reforçou apostas dos investidores de uma redução no ritmo de alta de juros pelo Federal Reserve. Tradicionalmente, a perspectiva de menor aperto monetário tira força da divisa norte-americana.

"Não é um excelente humor externo (nesta sessão), mas tem trazido uma tranquilidade para o mercado internacional", disse Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da corretora Treviso, à Reuters.

Ele acrescentou que uma visão positiva ao pacote de medidas econômicas anunciado na véspera pelo Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, também pode estar ajudando o real nesta sessão, ainda que os agentes financeiros ponderem sobre como seria sua execução.

O plano, que inclui reduções de débitos tributários no Carf (Conselho de Administração de Recursos Fiscais) e reoneração de combustíveis, pode levar a ajuste de até 242,7 bilhões de reais na contas em 2023. Haddad projetou déficit de 0,5% a 1% do PIB para o resultado primário do governo central, em cálculo que já considera a chance de algumas pautas não andarem.

"O governo parece interessado em limitar o aumento projetado do déficit orçamentário em 2023", escreveu a equipe do Goldman Sachs liderada por Alberto Ramos. "Isso é positivo, mas as autoridades continuam a mostrar alguma relutância em adotar cortes permanentes significativos nos gastos correntes e reconhecer abertamente a necessidade de alcançar um superávit fiscal primário de cerca de 2% do PIB para estabilizar a dinâmica da dívida pública", acrescentaram.

(Por André Romani)