Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.999,29
    +500,97 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Dólar pausa altas, mas incerteza geral mantém moeda perto de R$5,60

·2 min de leitura
Notas de real e dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar pausou a série recente de altas e fechou em leve baixa nesta segunda-feira, mas ainda muito perto de 5,60 reais, evidência do maior prêmio de risco oriundo de persistentes incertezas locais e da força global da moeda norte-americana.

O dólar à vista caiu 0,29%, a 5,5941 reais na venda, depois de cinco altas seguidas em que somou ganho de 3,84%.

Nesta segunda, a cotação variou de 5,615 reais (+0,08%) a 5,5625 reais (-0,85%).

O real teve um dos melhores desempenhos entre as principais moedas, num dia em que a moeda norte-americana bateu máximas em 16 meses ante uma cesta de rivais. O mercado vê continuidade da redução de estímulos e possível aumento antecipado de juros nos EUA diante da recondução de Jerome Powell à chefia do banco central do país por mais quatro anos.

Pares emergentes do real, como peso mexicano (-0,7%) e rand sul-africano (-0,8%) voltavam a cair, enquanto a lira turca (-1,8%) novamente era alvo de liquidação e renovou mínimas recordes.

Do lado doméstico, o mercado começava a prestar mais atenção no xadrez político que se desenha conforme o noticiário eleitoral esquenta, com mais informações sobre pré-candidatos para a Presidência da República em 2022.

Enquanto isso, as discussões sobre o andamento da PEC dos Precatórios seguem na mira de investidores. A expectativa é que ainda nesta semana o parecer da PEC seja lido na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, antes de até dia 30 ir ao plenário da Casa.

O mercado tem se incomodado com debates sobre tornar permanente o Auxílio Emergencial no valor de 400 reais proposto hoje --e que vai até o fim de 2022--, mas por outro lado vê chances de fatiamento da peça como um meio de aprová-la de forma mais rápida e "virar a página".

No saldo, o cenário para o câmbio segue inspirando cautela, avaliam profissionais do Itaú Unibanco, cuja equipe econômica manteve estimativa de dólar a 5,50 reais ao fim de 2021 e 2022 mesmo com a perspectiva de alta maior de juros no Brasil do que em outros mercados emergentes.

Juros mais altos teoricamente elevariam a atratividade para investimentos na renda fixa brasileira, fluxo esse que aumentaria a oferta de dólares e poderia baixar o preço da moeda.

"No entanto, as incertezas domésticas (especialmente relacionadas à evolução das contas públicas nos próximos anos) somadas ao cenário global que tem se mostrado desafiador para ativos de risco (com aumento de pressões inflacionárias globais e antecipação da elevação dos juros nos EUA) ainda pressionam a moeda (o real)", disse o banco privado em revisão de cenário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos