Mercado abrirá em 2 h 40 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,74
    +0,69 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.700,30
    +22,30 (+1,33%)
     
  • BTC-USD

    54.268,60
    +4.422,14 (+8,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.095,78
    +71,57 (+6,99%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.750,81
    +31,68 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.547,75
    +250,50 (+2,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Dólar passa a subir com exterior negativo e imbróglio em Brasília

·2 minuto de leitura
Notas de cem dólares

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar abandonou a queda de mais cedo e passou a mostrar firme alta nesta quinta-feira, superando 5,45 reais, com o mercado reforçando compras defensivas em meio a um dia negativo no exterior e por receios sobre o andamento da pauta econômica diante dos acontecimentos mais recentes em Brasília.

Às 12h56, o dólar spot ganhava 0,59%, a 5,4474 reais na venda, perto da máxima do dia (5,452 reais, alta de 0,68%). Na mínima, a cotação desceu 0,52%, para 5,3871 reais.

A moeda começou a ganhar tração por volta de 10h, estabilizou-se por volta de 5,42 reais até perto de 12h, quando voltou a tomar fôlego. Ao mesmo tempo, moedas emergentes pioraram o sinal, enquanto Wall Street aprofundou as perdas.

Temores de aumento de inflação com o crescimento econômico ainda tentando ser recuperado deixavam investidores nervosos. Evidenciando esses receios, os yields dos títulos do Tesouro dos EUA --considerados o ativo mais seguro do mundo-- subiam, a despeito da fraqueza em mercados de risco.

Uma aceleração da inflação nos EUA poderia levar o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) a retirar parte do suporte concedido aos mercados para enfrentamento da crise causada pela pandemia, o que significaria menos liquidez para países emergentes, como o Brasil.

Além dos temas internacionais, o mercado monitorava impactos sobre o calendário de reformas oriundos da tensão em Brasília decorrente da prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), após divulgar ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

A XP lembrou que Daniel Silveira é aliado do presidente Jair Bolsonaro e que também as taxas de juros subiram diante do risco de que o imbróglio em Brasília possa "vir a atrapalhar as negociações em torno do auxílio emergencial".

Às 14h, está prevista entrevista coletiva dos chefes da Câmara e do Senado e do ministro da Economia, Paulo Guedes.

(Por José de Castro)