Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,94
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.876,40
    -3,20 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    38.823,37
    +2.977,05 (+8,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.015,00
    +20,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1932
    +0,0006 (+0,01%)
     

Dólar passa a subir ante real; decisões de política monetária seguem em foco

·3 minuto de leitura

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar passava a subir frente ao real nesta quarta-feira, em um movimento de compras após desvalorização recente, enquanto as próximas reuniões de política monetária do Banco Central do Brasil e do Federal Reserve continuavam no radar dos mercados.

Às 13:09, o dólar avançava 0,68%, a 5,0694 reais na venda, enquanto, na B3, o dólar futuro subia 0,61%, a 5,079 reais.

Mais cedo, na mínima do pregão, a divisa norte-americana spot havia tocado 5,0188 reais na venda, queda de aproximadamente 0,32%.

Para Alejandro Ortiz, economista da Guide Investimentos, a mudança na direção do dólar desta quarta-feira é “um movimento técnico de compra devido à forte desvalorização do dólar nas últimas semanas”.

“A moeda caiu muito e já está se aproximando do patamar psicológico de 5 reais. (…) Não há motivos para esperar mais desvalorização ainda, então os investidores estão aproveitando para comprar dólar.”

Na terça-feira, o dólar à vista registrou variação negativa de 0,06%, a 5,0352 reais na venda, em seu menor patamar para encerramento desde 10 de junho de 2020 (4,9398 reais), acumulando queda de aproximadamente 3% contra o real no ano.

Entre os fatores que têm ajudado a moeda brasileira nas últimas semanas, vários especialistas apontam para a expectativa de juros domésticos mais altos, que foi reforçada nesta quarta-feira pelos sinais de aceleração da inflação.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,83% em maio, após alta de 0,31% no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse é o resultado mais forte para maio desde 1996 (1,22%) e ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,71%. Com isso, o índice acumulado em 12 meses disparou a 8,06%, de 6,76% em abril. A expectativa era de alta de 7,93%.

“As expectativas de inflação tanto para 2021 quando para 2022 já vinham subindo, enquanto a previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) também cresceu bastante, principalmente para 2021”, disse à Reuters Marcos Weigt, chefe de tesouraria do Travelex Bank.

Na segunda-feira, a pesquisa Focus do Banco Central mostrou que o mercado elevou com força a expectativa de crescimento econômico do Brasil em 2021 depois de dados melhores do que o esperado sobre a atividade divulgados na semana passada.

Em meio a esse cenário, “acredito que o BC, na semana que vem, vai retirar de sua comunicação a frase sobre um ‘ajuste parcial'”, disse Weigt. O termo “normalização parcial”, adotado pela autarquia, indica a intenção de ainda se manter um estímulo à economia, com os juros mais altos mas abaixo do patamar considerado neutro.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central encerrará seu próximo encontro no dia 16 de junho, com expectativa de elevação da taxa Selic a 4,25% ao ano, ante patamar atual de 3,5%.

Além de atentos aos juros domésticos, analistas do Bradesco disseram em nota que os investidores estão à espera de dados da inflação norte-americana que serão divulgados na quinta-feira. Com a aproximação da reunião de política monetária do Federal Reserve, que também se encerra na quarta-feira que vem, os agentes dos mercados ficarão de olho em qualquer sinal de superaquecimento da maior economia do mundo.

Embora várias autoridades do banco central norte-americano tenham afirmado repetidas vezes que enxergam as pressões inflacionárias nos Estados Unidos como temporárias, o que justifica a manutenção de sua política monetária expansionista, outras já começaram a reconhecer que estão mais próximas de um debate sobre quando retirar parte de seu nível de apoio à economia.

Weigt, do Travelex, trabalha com um cenário de manutenção da política monetária nos EUA. “Acho que o Fed não vai fazer nenhum movimento nem adotar uma mudança do discurso. Não acho que teremos grandes surpresas lá fora.”

Segundo especialistas, a manutenção da postura expansionista do Federal Reserve tende a beneficiar ativos de países emergentes, uma vez que os investidores estrangeiros vão buscar rendimentos mais altos fora dos Estados Unidos.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE: