Mercado abrirá em 5 h 14 min
  • BOVESPA

    108.651,05
    +248,77 (+0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.241,81
    -113,05 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,74
    -0,76 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.806,20
    -6,10 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    22.995,02
    -855,86 (-3,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    534,26
    -23,09 (-4,14%)
     
  • S&P500

    4.122,47
    -17,59 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    32.774,41
    -58,13 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.479,82
    -8,33 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.555,80
    -447,64 (-2,24%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.025,75
    -5,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2525
    +0,0198 (+0,38%)
     

Dólar paralelo argentino atinge nível recorde em piora da crise

(Bloomberg) -- A desvalorização do peso Argentino no mercado paralelo atingiu um novo recorde na terça-feira, em uma piora da crise provocada pela renúncia do ex-ministro da economia Martín Guzmán no início deste mês.

A taxa de câmbio paralela, conhecida como “dólar blue”, atingiu 300 pesos por dólar na terça-feira, segundo o site Dolarhoy.com. Outra taxa de câmbio paralela usada por investidores para retirar dinheiro do país através da compra de ativos no mercado local e sua venda no exterior, conhecida em inglês como blue-chip swap rate, se enfraqueceu para até 308 pesos por dólar, também um recorde.

A queda nas taxas de câmbio paralelas trouxe o spread em relação à taxa oficial para um recorde de 137%. A diferença pairou acima de 125% pelo oitavo dia consecutivo, o período mais longa desde que a hiperinflação paralisou a economia argentina em 1990, segundo a Portfolio Personal Inversiones, uma corretora local.

“Vale ressaltar que, durante a turbulência financeira de outubro de 2020, a diferença ficou apenas três dias acima desse limite e depois se atenuou com um pacote fiscal e monetário lançado pelo ex-ministro Martín Guzmán”, disseram analistas da PPI liderados por Joaquin Bagues em nota aos clientes. A nova ministra da economia da Argentina, Silvina Batakis, “parece não ter respaldo político para implementar medidas semelhantes no cenário atual.”

A disparidade crescente das taxas de câmbio só reforça o coro de economistas, investidores e operadores que pedem ao governo que desvalorize a taxa de câmbio oficial e acabe com o desequilíbrio. Os argentinos já enfrentam a perspectiva de inflação de 90% até o final do ano, depois que a saída do ministro da economia desencadeou aumentos de preços do dia para a noite.

A Argentina, que desvaloriza seu peso oficial diariamente por meio do chamado “crawling peg”, na semana passada permitiu a depreciação no ritmo mais rápido do governo do presidente Alberto Fernández, mas tem continuamente descartado a perspectiva de uma desvalorização pontual.

“As chances de uma desvalorização em uma única tacada aumentaram consideravelmente”, disse a PPI na nota. “Mesmo assim, acreditamos que o governo procurará evitar uma desvalorização repentina a todo custo.”

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos