Mercado abrirá em 9 h 57 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,12
    -1,54 (-1,86%)
     
  • OURO

    1.800,10
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    58.838,28
    -1.726,53 (-2,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.410,22
    -64,11 (-4,35%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.634,47
    +5,73 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.842,21
    -256,03 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    15.622,25
    +35,00 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4203
    -0,0044 (-0,07%)
     

Dólar mostra volatilidade, mas se mantém firme acima de R$5,40 com incertezas locais

·1 minuto de leitura
Notas de reais e dólares

SÃO PAULO (Reuters) - A gangorra do dólar prosseguia nesta terça-feira, com a moeda norte-americana voltando repentinamente a ganhar fôlego depois de rapidamente zerar os ganhos no começo da tarde. A divisa passou toda a segunda metade da manhã em alta, na sequência de uma abertura em queda.

O dólar à vista subia 0,34%, a 5,4661 reais, às 12h35. Há pouco, chegou a zerar a alta. Na máxima, a cotação foi a 5,4759 reais (+0,54%), depois de descer a uma mínima de 5,4243 reais (-0,41%) logo após o início dos negócios.

O dólar fracassava em sustentar queda mais firme mesmo depois das expressivas altas recentes que levaram a divisa a máximas desde abril e aproximaram a taxa do primeiro vencimento no mercado futuro da marca psicológica dos 5,5000 reais.

Nesta terça, o dólar futuro mais curto bateu 5,4960 reais, igualando o pico de 4 de maio.

A demanda por dólares também chamava atenção mesmo depois de o Banco Central anunciar uma "ração" de swaps cambiais tradicionais (duas vezes por semana) para prover liquidez ao mercado em meio à busca por moeda relacionada ao desmonte de um mecanismo de proteção cambial dos bancos ("overhedge").

O campo doméstico ainda inspirava cuidados, com os mercados atentos a desdobramentos à pauta econômica do governo de notícias envolvendo offshores do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente do BC, Roberto Campos Neto.

Lá fora, o dólar subia contra uma cesta de rivais de países ricos e moedas emergentes.

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos