Mercado fechará em 1 h 50 min
  • BOVESPA

    119.508,64
    -55,80 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.848,92
    +449,12 (+0,93%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,80
    -0,83 (-1,26%)
     
  • OURO

    1.815,30
    +31,00 (+1,74%)
     
  • BTC-USD

    56.860,71
    -572,08 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.479,82
    +8,41 (+0,57%)
     
  • S&P500

    4.176,44
    +8,85 (+0,21%)
     
  • DOW JONES

    34.378,26
    +147,92 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.502,25
    +11,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3758
    -0,0511 (-0,80%)
     

Dólar inicia semana agitada em queda contra real

Luana Maria Benedito
·3 minuto de leitura
Dólar inicia semana agitada em queda contra real

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar recuava contra o real nesta segunda-feira, em semana de agenda pesada que vai contar com expectativa em torno da instalação da CPI da Covid-19, uma enxurrada de novos dados do Brasil e dos Estados Unidos e a reunião de política monetária do Federal Reserve.

Às 10:20, o dólar recuava 0,53%, a 5,4677 reais na venda, enquanto o dólar futuro de maior liquidez perdia 0,16%, a 5,46900 reais.

"Em uma semana de importantes eventos e indicadores a única certeza que temos é a de forte volatilidade e amplitude para a moeda norte-americana", disse em nota matinal Jefferson Rugik, da Correparti Corretora.

No âmbito doméstico, já na terça-feira deve haver a instalação da CPI da Covid no Senado brasileiro, com a expectativa de que sejam eleitos os senadores Omar Aziz (PSD-AM) e Renan Calheiros (MDB-AL), respectivamente, para presidente e relator da comissão.

No mesmo dia, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgará dados sobre a inflação de abril, enquanto, no decorrer da semana, os mercados ficarão atentos ao relatório do Caged sobre a criação de empregos de março e a divulgação da taxa de desemprego no país de fevereiro.

Ficava ainda no radar dos investidores a notícia de que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), informou no fim de semana que um primeiro texto da reforma tributária será apresentado no dia 3 de maio. Ele reforçou em suas redes sociais que o Congresso tem o compromisso de votar ainda neste ano as reformas tributária e administrativa.

"A sinalização de que o Congresso pode apresentar uma versão inicial do texto ... pode ser vista como um bom indicativo para a retomada da agenda de reformas", disse Ricardo França, analista da Ágora Investimentos, em um morning call.

Enquanto isso, no exterior, o olhar dos investidores passava para a próxima reunião de política monetária do Federal Reserve, que começa na terça-feira e termina na quarta. A expectativa entre os investidores é de que o banco central dos Estados Unidos não altere sua posição acomodatícia, o que pode pressionar o índice do dólar contra uma cesta de moedas.

Os operadores também ficarão atentos a dados do Produto Interno Bruto da maior economia do mundo, em busca de pistas sobre o ímpeto de sua recuperação diante do tombo causado pela pandemia de Covid-19.

A moeda norte-americana à vista fechou a última sessão, na sexta-feira, em alta de 0,75%, a 5,4967 reais na venda, mas registrou a quarta semana consecutiva de perdas. Até agora no mês de abril, a divisa norte-americana acumula queda de mais de 3% contra o real.

O arrefecimento recente do dólar contra o real foi atribuído, entre outros fatores, a algum alívio de curto prazo no âmbito fiscal doméstico após a sanção com vetos do Orçamento de 2021.

O Banco Central fará nesta sexta-feira leilão de swap tradicional para rolagem de até 15 mil contratos com vencimento em novembro de 2021 e abril de 2022.