Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    54.614,07
    -7.679,61 (-12,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Dólar inicia abril em alta e fecha a R$ 5,71

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·1 minuto de leitura

Num dia de ajustes no mercado interno, o real descolou-se das principais moedas e desvalorizou-se nesta quinta-feira (1º). A bolsa de valores caiu pelo segundo dia seguido, após subir 6% em março.

O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,715, com alta de R$ 0,087 (+1,54%). A cotação operou em alta durante praticamente todo o dia, encerrando próxima dos níveis máximos da sessão. Ontem (31), a divisa tinha registrado a maior queda diária em três semanas e fechado em R$ 5,629.

No mercado de ações, a bolsa sofreu um dia de ajustes. O índice Ibovespa, da B3, encerrou a quinta-feira aos 115.253 pontos, com recuo de 1,18%. O indicador chegou a abrir em alta, mas reverteu o movimento e passou a cair ainda nos primeiros minutos de negociação.

O mercado doméstico dissociou-se dos mercados internacionais nesta quinta-feira. Enquanto as bolsas norte-americanas subiram, com o índice S&P 500 voltando a registrar recorde, o dia foi marcado pelas tensões. O dólar caiu perante as principais moedas internacionais, mas subiu diante do real.

As discussões em torno do Orçamento Geral da União de 2021 influenciaram o mercado. Hoje, o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu o veto parcial ao texto aprovado pelo Congresso para evitar brechas que violem o teto federal de gastos ou que possam ser questionadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

O mercado financeiro repercutiu a queda de 0,7% em fevereiro, interrompendo uma sequência de nove meses de alta. O recuo na produção pode indicar que a economia começa a sentir os efeitos do agravamento da pandemia de covid-19.

* com informações da Reuters