Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.826,43
    -2.670,30 (-5,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Dólar ignora melhora externa e sobe ante real com ajustes em derivativos

José de Castro
·2 minuto de leitura
Notas de dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar teve uma quinta-feira de volatilidade e fechou a sessão em alta, com o real descolando de pares em meio a compras defensivas da moeda norte-americana e à intensificação de rolagens de posições em derivativos com a aproximação do fim do mês.

Alguns profissionais lembraram ainda que o Banco Central vendeu apenas metade dos 16 mil contratos de swap cambial tradicional em leilão de rolagem nesta quinta, o que foi lido por alguns como uma "briga" de preço com o BC, elevando a instabilidade no mercado.

O dólar subiu 0,62%, a 5,4365 reais na venda, após oscilar entre 5,4616 reais (+1,08%) e 5,3907 reais (-0,23%).

Na B3, o dólar futuro tinha alta de 0,30%, a 5,4305 reais, às 17h21. As operações com derivativos cambiais na bolsa se encerram às 18h30.

Comentários nas mesas apontaram que o câmbio foi afetado por demanda por "hedge" por parte de investidores que compraram ações na bolsa. O Ibovespa subia 2,6% no fim da tarde.

O trade "compra de dólar/compra de bolsa" foi bastante comum nos últimos tempos, mas sofreu um revés mais recentemente conforme o Banco Central sinalizou aumento dos juros, o que tornaria mais cara essa estratégia, já que juros mais altos elevariam o custo de carregamento de posições vendidas em real.

"E parece que o Kanczuk foi muito 'dove' em reuniões privadas", disse um gestor, referindo-se a ​Fabio Kanczuk, diretor de Política Econômica do BC, que se reuniu com investidores privados nesta quinta.

Os termos "dove" e "dovish" são jargões do mercado financeiro que designam uma postura de política monetária menos dura em relação à inflação --o que, por sua vez, sugere menos ou falta de inclinação para altas de juros. O dólar despencou 2,7% na terça-feira, quando a ata do Copom indicou um BC mais disposto a elevar a Selic.

Enquanto isso, a volatilidade cambial seguiu em alta e bateu 19,808% nesta quinta, máxima desde o começo de outubro. A instabilidade do real fez o Goldman Sachs incluir a moeda brasileira no grupo das moedas emergentes "arriscadas", do qual também fazem parte rand sul-africano e lira turca --que nesta quinta se valorizavam ante o dólar.

Reforçando o caráter idiossincrático da performance aquém do real, o Goldman Sachs avaliou que a "falta de desempenho superior" desse grupo de moedas emergentes arriscadas tem sido uma constante nos últimos 12 meses e não parece, por ora, uma preocupação particular para um rali amplo nos mercados de risco.

(Edição de Isabel Versiani)