Mercado abrirá em 3 h 54 min
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,68
    +1,19 (+1,69%)
     
  • OURO

    1.776,40
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    42.331,64
    -858,27 (-1,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.055,73
    -8,12 (-0,76%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.056,11
    +75,13 (+1,08%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.086,00
    +62,00 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1771
    -0,0020 (-0,03%)
     

Dólar fica quase estável perto de R$5,20, mantendo prêmio de risco fiscal

·2 minuto de leitura
Guarda passa em frente a montagem de notas de dólares do lado de fora de casa de câmbio em Nairobi, Quênia

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar oscilou ao longo do dia, mas fechou esta quarta-feira em torno da estabilidade, ao fim de uma sessão em que repercutiu dados econômicos e sinais da política monetária nos EUA em meio às expectativas para o Copom e ao ruído fiscal mais recente.

O dólar à vista teve variação negativa de 0,03%, a 5,1890 reais na venda, após variar entre 5,1653 reais (-0,48%) e 5,2466 reais (+1,08%).

A moeda começou o dia em leve queda, mas ensaiou alta posteriormente frustrada por dados mais fracos de emprego nos EUA. A partir de 11h, contudo, a cotação teve um rali puxado por dados mais fortes de serviços nos EUA e por declarações "hawkish" (pró-aumento de juros) do vice-chair do Federal Reserve, Richard Clarida.

Os dois eventos corroboraram o debate sobre redução da oferta de dinheiro barato dos EUA, que desde o ano passado tem em parte sustentado preços de ativos arriscados, como o real, em todo o mundo.

Lá fora, o índice do dólar contra uma cesta de moedas subia 0,26%, sustentando os ganhos conquistados.

Mas, no Brasil, depois de bater a máxima da sessão no fim da manhã o dólar começou a perder força, com analistas citando comportamento parecido no mercado de juros, a poucas horas da decisão do Copom.

"Virão uma alta de 1 ponto percentual e um comunicado bastante duro", disse Cláudio Pires, diretor da MAG Investimentos, prevendo que no texto o Banco Central deixará sinalizada outra elevação de juros na mesma magnitude para a reunião de 21 e 22 de setembro.

Juros mais altos beneficiam o real, pois melhoram a perspectiva de entrada de recursos para investimento na renda fixa, potencialmente elevando a oferta de dólares e, assim, baixando o preço da moeda.

Mas o mercado de câmbio segue mantendo prêmio de risco acumulado desde a última sexta-feira, quando o dólar deu um salto impulsionado por renovada insegurança fiscal. O dólar futuro tinha alta de 2,6% frente ao real desde então, enquanto no mesmo intervalo a moeda subia entre 0,1% e 0,6% ante peso mexicano, rublo russo e lira turca, alguns dos principais pares do real.

"É normal o mercado pedir esse prêmio, não só pelos precatórios, mas pela reforma tributária, que todo dia tem um capítulo novo... Se houver alguma renúncia fiscal (na reforma tributária), menor arrecadação, é mais pressão sobre as contas", disse Pires, da MAG Investimentos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos