Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,08
    -0,41 (-0,63%)
     
  • OURO

    1.869,10
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    43.280,77
    -1.102,80 (-2,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.214,97
    -38,17 (-3,05%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    27.880,49
    -526,35 (-1,85%)
     
  • NASDAQ

    13.177,75
    -34,25 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4304
    +0,0003 (+0,00%)
     

Dólar fica praticamente estável e fecha vendido a R$ 5,41

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·1 minuto de leitura

Em um dia marcado por oscilações no mercado, o dólar fechou praticamente estável, mas reduziu o ritmo de queda e permaneceu acima de R$ 5,40. A bolsa de valores chegou a subir quase 1% durante a manhã, mas perdeu impulso e terminou com leve alta.

O dólar comercial fechou esta segunda-feira (3) vendido a R$ 5,419, com recuo de R$ 0,013 (-0,24%). A divisa começou a sessão em alta, chegando a R$ 5,45 por volta das 10h30, mas inverteu o movimento e passou a cair, atingindo R$ 5,37 na mínima do dia, por volta das 12h30. Durante a tarde, o recuo diminuiu, até a cotação encerrar próxima da estabilidade.

Na bolsa de valores, o dia foi parecido. O Ibovespa, índice da B3, encerrou o dia aos 119.209, com alta de 0,27%. Depois de operar em alta em boa parte da manhã, o indicador passou a cair, sob influência do mercado externo, até recuperar-se perto do fim das negociações.

O dólar e a bolsa foram pressionados pelo mercado internacional, com os investidores receosos com o aumento de casos de covid-19 na Índia. Além disso, houve um movimento global de realização de lucros, com investidores vendendo ações para embolsar ganhos dos últimos dias.

A pressão no mercado externo foi aliviada pelo resultado da balança comercial, que teve superávit recorde em abril. Além disso, o mercado doméstico aguarda avanços nas reformas tributária e administrativa, anunciados recentemente pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

*Com informações da Reuters