Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,20
    -0,10 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.747,00
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    44.800,20
    +1.491,33 (+3,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.122,97
    +14,05 (+1,27%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    30.190,96
    +551,56 (+1,86%)
     
  • NASDAQ

    15.326,25
    +22,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2276
    +0,0026 (+0,04%)
     

Dólar fica perto da estabilidade com cena doméstica sobrepujando otimismo externo

·3 minuto de leitura
Cédulas de reais e dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar começou a semana perto da estabilidade, com o real incapaz de se beneficiar do ambiente externo mais positivo, o que no fim deixou a moeda norte-americana longe das mínimas da sessão e fez sobressaírem temas idiossincráticos do Brasil.

O dólar à vista teve variação negativa de 0,05%, a 5,3823 reais na venda nesta segunda-feira. A moeda tocou a mínima do dia (de 5,345 reais, queda de 0,74%) ainda na primeira parte do pregão, mas se recuperou para bater a máxima intradiária de 5,4023 reais (+0,32%) por volta do meio-dia e meia.

À tarde as vendas reapareceram, mas sem a intensidade de mais cedo.

O movimento do dólar aqui foi bem mais contido do que no exterior, onde a moeda caía 0,5% frente a uma cesta de pares --o que seria a maior queda diária desde o começo de maio.

Dados fracos nos EUA e a notícia de que a China zerou o número de casos de Covid-19 no país por transmissão comunitária deram impulso a ativos de risco, com destaque para moedas pares do real, commodities (+2,4%) e as bolsas de valores dos EUA, em que o índice de tecnologia Nasdaq Composite cravou novo recorde [.NPT].

De forma geral, o grande ponto de atenção do mercado nesta semana está no fim dela, quando começa o simpósio anual de Jackson Hole, nos EUA, evento promovido pelo banco central norte-americano (Fed) que na sexta-feira contará com discurso do líder da instituição, Jerome Powell. Há expectativa de que Powell emita algum sinal sobre o futuro dos estímulos monetários adotados pelo Fed durante a pandemia.

Nesse contexto, Kit Juckes, estrategista macro do Société Générale, segue vendo o dólar fortalecido. "Há pouca ou nenhuma chance de recuperação do sentimento em relação aos mercados emergentes até que o tema Covid enfraqueça", disse em relatório.

E é com esse pano de fundo externo mais delicado para emergentes que o real segue afligido por problemas domésticos que vão desde política ao clima, passando pelas contas públicas. Segundo operadores, a segunda-feira foi de nova sensação de desconforto nos mercados após um noticiário de fim de semana que deu poucas indicações de que o foco do governo se voltará no curto prazo para a agenda macro e de reformas.

Mais uma vez os preços dos ativos domésticos operaram em sintonia. As taxas de juros futuros negociadas na B3 chegaram ao fim da tarde com saltos de 20 pontos-base, enquanto o Ibovespa caiu 0,49% (segundo dados preliminares), único índice acionário relevante do Ocidente a ficar no vermelho nesta sessão.

O sentimento negativo é captado pelos investidores estrangeiros.

Modelos do Morgan Stanley para alocação em moedas indicam que o sinal de venda para o real está próximo de recordes, com a divisa brasileira sendo a preferida para posições negativas. E pelos dados de uma agência dos EUA as apostas de especuladores na alta do real caíram ao menor valor em dois meses.

A Guide Investimentos notou que o ambiente institucional no Brasil segue "conturbado" após o presidente Jair Bolsonaro dar entrada em pedido de impeachment de um ministro do STF na sexta-feira.

Em paralelo a isso, o Banco Central vê barulho quanto ao efetivo apoio do Planalto à sua autonomia formal, sancionada em lei deste ano, mas não movimento ou pressão direta de Bolsonaro contra o status recém-adquirido, disseram duas fontes da autoridade monetária à Reuters, sob condição de anonimato.

Na sexta-feira, a agência de notícias Associated Press publicou que Bolsonaro havia confidenciado a interlocutores ter se arrependido da lei de autonomia, que assinou em fevereiro.

Nesta segunda, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reconheceu impactos no mercado de uma antecipação do clima eleitoral, mas avaliou que os fundamentos econômicos do Brasil estão melhorando e que as instituições do país são sólidas. Guedes voltará a falar em evento a partir de 18h (de Brasília) nesta segunda-feira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos