Mercado abrirá em 6 h 52 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,23
    +0,36 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.942,00
    -3,30 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    23.146,91
    +272,10 (+1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.902,35
    +60,02 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    27.347,61
    +20,50 (+0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.109,00
    -43,00 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5187
    +0,0031 (+0,06%)
     

Dólar fica estável e investidores mantém cautela após os ataques aos Três Poderes

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 06.12.2017 - Cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 06.12.2017 - Cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar alternava estabilidade e leve alta frente ao real nos primeiros negócios desta terça-feira (10), com investidores ainda de olho nas incertezas políticas no Brasil após os ataques aos Três Poderes em Brasília no domingo, enquanto, no exterior, o mercado aguardava comentários do chair do banco central norte-americano, Jerome Powell.

Às 9h13 (horário de Brasília), o dólar à vista avançava 0,08%, a R$ 5,2637 na venda.

Nesta segunda-feira (9), o dólar chegou a subir mais de 1% no começo do dia, mas fechou com alta mais discreta, depois das reações das autoridades contra apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro que invadiram a sede dos Três Poderes em Brasília neste domingo (8), enquanto a Bolsa fechou em leve alta, mais influenciada pelo exterior.

Para analistas, as atitudes já tomadas pelas autoridades para conter atos golpistas, como o indiciamento de cerca de 1.000 pessoas pela Polícia Federal e a determinação da retirada dos acampamentos em frente ao quartel-general do Exército em Brasília, passaram uma mensagem de solidez das instituições aos investidores, especialmente os estrangeiros.

Nesta segunda-feira, os presidentes dos Três Poderes divulgaram uma nota repudiando os atos golpistas e de vandalismo que ocorreram na véspera.

O dólar comercial à vista fechou em alta de 0,38%, a R$ 5,2570 na venda, depois de atingir a cotação de R$ 5,30 na máxima do dia. O Ibovespa fechou em alta de 0,15%, a 109.129 pontos.

Os juros, que passaram boa parte do dia em alta, fecharam em baixa. Os contratos com vencimento em 2024 recuaram de 13,61% ao ano no fechamento da última sexta-feira (6) para 13,57% nesta segunda. A taxa para 2025 caiu de 12,90% para 12,78%. Para 2027, o recuo foi de 12,81% para 12,71 %.

Em outros eventos recentes de militantes bolsonaristas, como a queima de veículos em Brasília durante tentativa de invasão ao prédio da Polícia Federal, no final de 2022, a reação negativa dos investidores foi mais intensa, lembra Rafael Marques, economista e CEO da Philos Invest.

No dia da tentativa da invasão, em 13 de dezembro, a Bolsa caiu mais de 3%. "Hoje houve uma certa volatilidade, mas o desempenho relativamente mais estável se deve principalmente ao preço das ações, que estão baixos, e à expectativa de retomada econômica da China, que seria positiva para o Brasil", explica Marques.

Em Nova York, os principais índices de ações passaram a maior parte da segunda-feira em alta, mas no final, a tendência foi mais negativa. Isso porque uma dirigente do Federal Reserve, banco central americano, disse nesta segunda que ela espera um aumento dos juros para um patamar superior a 5%.

O índice Dow Jones recuou 0,34%, o S&P 500 caiu 0,08%, enquanto o Nasdaq fechou em alta de 0,63%. O barril do petróleo Brent subia 1,40% às 18h25 (horário de Brasília), a US$ 79,67.