Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,44
    -0,19 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.784,40
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    56.829,91
    +1.745,58 (+3,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.458,96
    +53,66 (+3,82%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.273,38
    +460,75 (+1,60%)
     
  • NASDAQ

    13.517,25
    +26,25 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4253
    -0,0016 (-0,02%)
     

Dólar fecha a R$ 5,44 e atinge menor nível em dois meses

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·1 minuto de leitura

Embalado pelo desempenho dos mercados internacionais, o dólar caiu nesta segunda-feira (26) e fechou no menor nível em dois meses. A bolsa de valores alternou momentos de alta e de baixa e encerrou com estabilidade.

O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,449, com queda de R$ 0,05 (-0,88%). A cotação operou em queda durante toda a sessão, consolidando a tendência de baixa durante a tarde. No menor valor desde 24 de fevereiro (R$ 5,421), a divisa acumula queda de 3,2% em abril e alta de 5,01% em 2021.

O otimismo no câmbio não se refletiu no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 120.595 pontos, com alta de apenas 0,05%. O indicador chegou a subir 0,6% por volta das 10h30, mas operou em baixa durante quase toda a tarde, só se recuperando nos minutos finais de negociação.

O dólar caiu em todo o planeta, em meio à melhoria das expectativas em torno da recuperação da economia global. A moeda norte-americana recuou em sete dos últimos nove pregões. No Brasil, o anúncio pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), de que pretende destravar a tramitação das reformas tributária e administrativa foi bem recebido pelo mercado.

A bolsa de valores, no entanto, não sentiu a melhora no mercado externo e operou em baixa na maior parte do dia, mesmo com os índices norte-americanos fechando em alta. Além das tensões em torno da pandemia de covid-19, o índice Ibovespa sofreu pressão da realização de lucros, quando investidores vendem ações para embolsar ganhos recentes. O indicador aproxima-se do recorde de 125 mil pontos registrado no início de janeiro.

*Com informações da Reuters