Mercado fechará em 27 mins
  • BOVESPA

    123.278,24
    +1.477,45 (+1,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.001,70
    +133,38 (+0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,30
    -2,65 (-3,58%)
     
  • OURO

    1.817,70
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    39.539,04
    -1.774,36 (-4,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    967,17
    +6,28 (+0,65%)
     
  • S&P500

    4.390,89
    -4,37 (-0,10%)
     
  • DOW JONES

    34.874,04
    -61,43 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    14.967,25
    +11,50 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1277
    -0,0603 (-0,97%)
     

Dólar fecha a R$ 5,2560 e Bolsa cai quase 2% com crise política e variante delta

·6 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** São Paulo, SP, Brasil, 24-01-2019: Cédulas de dólar. (Foto Gabriel Cabral/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** São Paulo, SP, Brasil, 24-01-2019: Cédulas de dólar. (Foto Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O mercado financeiro no Brasil passa por uma reviravolta neste início de julho. CPI da Covid, reforma do Imposto de Renda, pressões inflacionárias e aumento do risco global com disseminação da variante delta do coronavírus e mudanças em políticas monetárias deixaram os ganhos do real e da Bolsa em junho para trás.

O otimismo em torno de dados econômicos melhores, que levaram o dólar a R$ 4,905 e a um recorde do Ibovespa aos 130.776 pontos no mês passado, deram lugar à aversão a risco. Julho já opera com o dólar tocando os R$ 5,31 no pregão e com o Ibovespa a 125 mil pontos.

Até o momento, o real é a moeda que mais se desvaloriza no mês, depois de ser a segunda que mais ganhou valor ante o dólar em junho, atrás apenas do dram armênio.

Segundo analistas, a evolução da CPI tem elevado o risco político, o que acarreta um cenário mais desafiador para a economia brasileira, já ameaçada pela alta nos preços da conta de luz e dos combustíveis, elevando previsões para a inflação.

Nesta quinta-feira (8), o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) informou que, puxado pela energia elétrica, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) teve variação de 0,53% em junho, abaixo do esperado pelo mercado. Analistas consultados pela Bloomberg projetavam alta de 0,59%.

Mesmo com a desaceleração em junho, o IPCA chegou a 8,35% no acumulado de 12 meses, ampliando a distância em relação ao teto da meta de inflação perseguida pelo Banco Central, de 5,25%.

O mercado espera uma nova aceleração nos próximos meses dado os reajustes de combustíveis e energia elétrica, devido à crise hídrica.

Ao fim do ano, a expectativa é de desaceleração devido à queda dos preços das commodities e ao fim do impacto da elevação do custo das tarifas, diz a equipe do Inter Research, que espera um aumento de 0,75 ponto percentual na reunião de política monetária do BC em agosto.

Caso a inflação siga em alta, a autoridade pode subir ainda mais a Selic, o que tende a beneficiar o real e prejudicar o mercado de renda variável, dado que a renda fixa fica mais atrativa.

Já Rafael Ribeiro, analista da Clear Corretora, vê um aumento nas apostas de uma alta de 1 ponto percentual na Selic em agosto, ao passo que o mercado já precifica que a taxa chegará em 7% ainda este ano. Hoje, a Selic está a 4,25% ao ano.

Juros mais altos no Brasil tendem a beneficiar o real por estratégias de carry trade. Elas consistem na tomada de empréstimos em moeda de país de juro baixo (como o dólar) e compra de contratos futuros da divisa de juro maior (como o real). O investidor, assim, ganha com a diferença de taxas.

Em sua oitava alta seguida, o dólar subiu 0,34%, para R$ 5,2560, depois de ir a R$ 5,3140 na máxima da sessão. A moeda americana perdeu força após intervenção do Banco Central.

A autoridade fez o primeiro leilão de swaps cambiais tradicionais desde 12 de março, quando o dólar estava na casa de R$ 5,55. Foram ofertados 10 mil contratos (US$ 500 milhões).

O swap permite a troca de taxas ou rentabilidade de ativos financeiros. No caso do swap cambial tradicional ofertado pelo BC, o título paga ao comprador a variação da taxa de câmbio acrescida de uma taxa de juros (cupom cambial). Em troca, o BC recebe a variação da taxa Selic.

O objetivo do BC ao recorrer a esse instrumento é evitar movimento disfuncional do mercado de câmbio, provendo "hedge" cambial –proteção contra variações excessivas da moeda norte-americana em relação ao real– e liquidez aos negócios. A colocação de contratos de swap tradicional pelo BC, portanto, funciona como injeção de dólares no mercado futuro de dólar.

Na semana, a moeda subiu 4% ante o real, a maior alta para o período desde março. No ano, há alta de 1,35%. Desde a mínima recente de R$ 4,905, a moeda acumula alta de 7%.

Além do ruído doméstico, no exterior investidores também estão mais receosos, dada a rápida disseminação da variante delta. A proibição de público nos Jogos Olímpicos de Tóquio devido ao aumento de casos no país e a decretação de novo estado de emergência na cidade nesta quinta corroborou para o aumento da preocupação de investidores.

O Ibovespa chegou a cair 2,13% no pior momento desta quinta, mas fechou em queda de 1,25%, a 125.427,77 pontos. Na semana, caiu 1,72%, pior desempenho para o período desde a última semana de fevereiro, quando o índice despencou 7%.

As ações preferenciais (mais negociadas) da Petrobras caíram 2% nesta quinta, em sessão de queda dos preços do petróleo no exterior. A desvalorização se deu mesmo após o presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, afirmar que não houve nem haverá interferência externa no ritmo dos ajustes de preços de combustíveis.

Nos Estados Unidos, os índices S&P 500 e Nasdaq cederam 0,86% e 0,72%, respectivamente, depois de renovarem a pontuação recorde na véspera. O Dow Jones fechou em queda de 0,75%.

Nesta sexta (9) é feriado em São Paulo, e a Bolsa de Valores não funcionará.

Nesta quinta, a ação da CSN teve a maior queda do Ibovespa (4,42%), refletindo o declínio dos preços dos contratos futuros de minério de ferro na China, com cortes na produção de aço em algumas usinas trazendo preocupações sobre a demanda por insumos para siderúrgicas. A Vale caiu 0,39%.

Os contratos futuros do carvão metalúrgico e do coque negociados na China atingiram mínimas de um mês nesta quinta, enquanto os preços do minério de ferro chegaram a cair até 3,6%, à medida que cortes de produção de aço em algumas usinas do país geraram preocupações com a demanda pelas matérias-primas siderúrgicas.

Uma grande produtora de aço do leste da China teria recebido determinação de hibernar seus altos-fornos após uma inspeção do governo central, segundo Zhuo Guiqiu, analista da Jinrui Capital.

A China prometeu controlar sua produção anual de aço a um nível mais baixo neste ano. O órgão estatal de planejamento do país já havia afirmado que conduziria inspeções de campo entre junho e julho.

Há temores crescentes de que a demanda por matérias-primas caia ainda mais, à medida que mais locais ampliam os controles de produção de aço, acrescentou Zhuo.

O contrato mais negociado do coque na bolsa de commodities de Dalian, para entrega em setembro, fechou em queda de 5,3%, a US$ 381,46 por tonelada.

Os futuros do carvão metalúrgico cederam 5,3%, menor patamar desde 9 de junho. Já a referência do minério de ferro em Dalian apurou queda de 2,9%.

As ações da China fecharam em baixa nesta quinta, enquanto investidores também avaliam a indicação inesperada de Pequim de afrouxamento monetário.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 1,02%, enquanto o índice de Xangai teve baixa de 0,79%.

A China usará cortes oportunos na taxa de compulsório dos bancos para sustentar a economia real, especialmente pequenas empresas.

“A sinalização gerou um alerta sobre fragilidades na economia do país que podem comprometer a recuperação da economia global, após os choques da pandemia de Covid-19", escreveu a equipe do Banco Original em relatório.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos