Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,41
    +0,26 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.814,00
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    39.799,30
    +1.357,82 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,48
    +54,71 (+5,90%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.671,13
    +87,05 (+0,32%)
     
  • NASDAQ

    15.091,50
    +18,00 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1178
    -0,0005 (-0,01%)
     

Dólar fecha a R$ 4,97, mas tem maior queda trimestral em 12 anos

·2 minuto de leitura

Num dia de correção global e de tensões domésticas, o dólar subiu e aproximou-se de R$ 5. A moeda, no entanto, fechou junho com a maior queda para um trimestre em 12 anos. A bolsa de valores caiu pelo segundo dia seguido e fechou o mês praticamente estável, distanciando-se do recorde alcançado no início de junho.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (30) vendido a R$ 4,973, com alta de R$ 0,031 (+0,63%). Numa sessão tensa, a cotação chegou a R$ 5,02 na máxima do dia, por volta das 12h45, mas desacelerou durante a tarde.

Apesar da segunda alta consecutiva, a divisa encerrou junho com queda de 4,82%, o maior recuo mensal desde novembro do ano passado, quando tinha caído 6,82%. No trimestre, a moeda norte-americana caiu 11,62%, a maior queda para o período desde o segundo trimestre de 2009.

Em meados de março, em meio às indefinições sobre a prorrogação do auxílio emergencial e o Orçamento de 2021, a cotação bateu o recorde do ano, chegando a R$ 5,797. No primeiro semestre, o dólar acumula queda de 4,15%.

No mercado de ações, o dia foi marcado pelas perdas. O índice Ibovespa, da B3, fechou a quarta-feira aos 126.802 pontos, com recuo de 0,41%. O indicador, que chegou a bater o recorde histórico de 130.776 pontos no último dia 7, recuou nas últimas semanas e fechou o mês com alta de apenas 0,46%. Mesmo assim, o índice acumula ganho de 6,54% no primeiro semestre.

Fatores internos e externos contribuíram para a tensão no mercado financeiro hoje. Nos Estados Unidos, foi divulgada uma projeção do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) que estimou a primeira alta de juros da maior economia do planeta para o início de 2023. Taxas mais altas em economias avançadas pressionam o mercado financeiro em países emergentes, como o Brasil.

No mercado interno, as repercussões da proposta de reforma tributária, as tensões políticas e a compra de dólares por empresas estrangeiras que estão enviando lucros para fora do país contribuíram para a volatilidade.

* Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos