Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,70 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,74 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,53
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.772,60
    -15,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    23.117,41
    -106,85 (-0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,20
    -2,02 (-0,38%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,65 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,90 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.175,87
    +243,67 (+0,87%)
     
  • NASDAQ

    13.216,50
    -110,50 (-0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2666
    -0,0739 (-1,38%)
     

Dólar fecha perto de R$ 5,50 e sobe quase 2% na semana

Os receios de uma recessão na economia norte-americana voltaram a pesar no mercado financeiro nesta sexta-feira (22). O dólar, que iniciou o dia em forte queda, terminou com leve alta. A bolsa reverteu os ganhos da manhã e fechou em baixa.

O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,499, com alta de 0,05%. A cotação chegou a cair para R$ 5,43 por volta das 11h15, mas o aumento da demanda durante a tarde fez a moeda voltar a encostar em R$ 5,50.

A cotação está no maior valor desde 24 de janeiro. Com o desempenho de hoje, a divisa subiu 1,74% na semana. O dólar acumula alta de 5,04% em julho e queda de 1,38% em 2022.

A reversão de expectativas após uma manhã positiva também ocorreu no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 98.925 pontos, com recuo de 0,11%. De manhã, o indicador chegou a subir 0,68%, mas inverteu o movimento após dados ruins de empresas norte-americanas. Mesmo com a queda de hoje, a bolsa brasileira subiu 2,46% na semana.

A divulgação de lucros mais baixos por empresas norte-americanas, principalmente do setor de tecnologia, afetou o mercado financeiro global durante a tarde. Os temores de que a maior economia do planeta entre em recessão aumentaram a demanda por dólares e por títulos do Tesouro norte-americano, considerados os investimentos mais seguros do mundo.

Na próxima quarta-feira (27), o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) decidirá se eleva os juros básicos dos Estados Unidos em 0,75 ou 1 ponto percentual para segurar a inflação no país, que está no maior nível em 41 anos. Taxas mais altas em economias avançadas estimulam a fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil.

*Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos