Mercado abrirá em 4 hs
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,22
    -0,17 (-0,45%)
     
  • OURO

    1.881,90
    +2,70 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    13.137,31
    -104,65 (-0,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,09
    -12,60 (-4,62%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.568,24
    -140,56 (-0,57%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.230,75
    +98,00 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7306
    -0,0038 (-0,06%)
     

Dólar fecha no maior valor em duas semanas

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·2 minutos de leitura

O crescimento de casos de covid-19 na Europa e as incertezas sobre a economia norte-americana voltaram a pressionar o dólar. A moeda norte-americana fechou no maior valor em duas semanas, continuando acima de R$ 5,60. A bolsa de valores caiu pela primeira vez em três dias.

Em alta pela terceira sessão seguida, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (15) vendido a R$ 5,624, com valorização de R$ 0,027 (+0,36%). A divisa está no maior nível desde 2 de outubro, quando tinha fechado em R$ 5,667.

O dólar abriu em forte alta, chegando a R$ 5,64 nos primeiros minutos de negociação. A moeda, no entanto, perdeu velocidade ao longo do dia, alternando altas e baixas ao longo da tarde, até voltar a subir perto do fim das negociações.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou a sexta-feira com recuo de 0,28%, aos 99.054 pontos. O indicador chegou a cair 1,57% por volta das 10h15, mas apresentou leve reação e operou próximo da estabilidade durante a tarde.

No exterior, um aumento não esperado nos pedidos semanais de auxílio-desemprego nos Estados Unidos reforçou preocupações sobre a retomada da maior economia do planeta. Há ainda o impasse nas negociações no Congresso norte-americano em torno de um novo pacote de estímulos.

O presidente Donald Trump afirmou estar disposto a aumentar o pacote de ajuda para chegar a um acordo com a oposição democrata, mas a ideia foi rejeitada pelo colega republicano e o líder da Maioria no Senado, Mitch McConnell. O aumento das restrições impostas por governos europeus para conter o avanço de casos de coronavírus também põe em dúvida a duração da pandemia.

O impacto do cenário externo, no entanto, foi amenizado pela divulgação de dados econômicos pelo Banco Central. Em agosto, a atividade econômica teve alta de 1,06%, segundo o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br).

*Com informações da Reuters