Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.362,70
    +670,92 (+1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Dólar fecha em R$ 5,64 e tem maior alta para um dia em seis meses

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·2 minuto de leitura

Uma onda de más notícias do exterior e as tensões econômicas internas fizeram o dólar ter a maior alta diária em seis meses e voltar a aproximar-se de R$ 5,65. A bolsa de valores caiu pelo terceiro dia seguido e encerrou no menor nível em 15 dias.

O dólar comercial fechou esta quarta-feira (24) vendido a R$ 5,64, com forte alta de R$ 0,124 (+2,25%). A cotação operou próxima da estabilidade até o início da tarde, quando passou a disparar e fechou na máxima do dia. Essa foi a maior alta diária desde 18 de setembro, quando a divisa tinha subido 2,79%.

Na bolsa de valores, o dia também foi marcado pela turbulência. O índice Ibovespa, da B3, subiu durante quase toda a sessão, mas inverteu a tendência na hora final de negociação e passou a cair. O indicador fechou o dia aos 112.064 pontos, com recuo de 1,06%. O índice está no nível mais baixo desde o último dia 9.

No exterior, os indicadores foram afetados pelo anúncio, por parte da vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, de que o país não tem condições de pagar a próxima parcela da ajuda recebida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Isso contagiou os mercados em toda a América Latina. Paralelamente, as bolsas norte-americanas pioraram perto do fim das negociações, contribuindo para ampliar a volatilidade.

No Brasil, a pressão de governadores para ampliar o auxílio emergencial também refletiu-se no mercado financeiro. No meio da tarde, um grupo de 16 governadores divulgou uma carta em que pedem a ampliação para R$ 600 do valor das próximas parcelas a serem pagas a partir de abril, com os mesmos critérios de 2020. Para investidores, a noticia representa a ameaça de aumento do gasto público sem fonte correspondente de compensação.

* Com informações da Reuters