Mercado abrirá em 2 h 34 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,74
    -0,41 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.747,40
    +11,10 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    62.592,03
    -1.092,09 (-1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.366,78
    -9,00 (-0,65%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.962,22
    +22,64 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    13.877,00
    +78,25 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7685
    -0,0044 (-0,06%)
     

Dólar fecha em queda e real lidera ganhos no mundo em dia positivo no exterior

José de Castro
·3 minuto de leitura
Notas de 5 dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar mais do que reverteu a alta da véspera ao fechar em queda de mais de 1% nesta quinta-feira, com o real na dianteira dos mercados globais de câmbio numa sessão marcada por otimismo sobre a recuperação econômica global, o que impulsionou a demanda por ativos de risco, como moedas emergentes.

O dólar à vista caiu 1,26%, a 5,5744 reais na venda, menor patamar desde 23 de março (5,5168 reais). A cotação oscilou nesta quinta entre 5,618 reais (-0,49%) e 5,5392 reais (-1,88%). Na quarta, a moeda havia subido 0,79%.

No exterior, o índice do dólar contra uma cesta de rivais recuava 0,35%, para mínimas em duas semanas. A moeda dos EUA caía entre 0,2% e 0,8% frente a algumas das principais divisas emergentes.

As vendas de dólares voltaram a predominar nos mercados diante da perspectiva de que o banco central norte-americano (Fed) mantenha em vigor estímulos que têm inundado o mundo de liquidez desde o ano passado e ajudado a conter a disparada global do dólar.

Ao participar de um evento virtual do FMI/Banco Mundial, o chair do Fed, Jerome Powell, sinalizou nesta quinta que a autoridade monetária não está nem próxima de reduzir seu apoio à economia norte-americana e minimizou riscos de problemas com a inflação. Powell reforçou, assim, a mensagem emitida na véspera na ata da última reunião de política monetária do BC dos EUA.

Para o Bradesco, o índice do dólar ante uma cesta de moedas, que teve no primeiro trimestre a maior alta em quase três anos, tem agora menor espaço para ganhos adicionais, o que em teoria seria benéfico para mercados emergentes.

"Por mais que o dólar venha a se fortalecer nos próximos meses, reagindo a alterações na percepção de risco ou refletindo a reprecificação na inflação no país, os fundamentos apontam para o enfraquecimento do dólar ao longo de 2021 contra a cesta de moedas dos países desenvolvidos, caso os juros de 10 anos fiquem abaixo de 2,0% e a economia dos EUA cresça menos que 8%", disseram analistas do banco em nota, citando os déficits "gêmeos" (fiscal e de conta corrente).

O economista do BTG Pactual digital Álvaro Frasson não descarta que o índice do dólar, conhecido como DXY, possa subir nos próximos meses (o que em tese poderia repercutir negativamente no real), mas ele ponderou que o segundo semestre no Brasil deve trazer notícias melhores sobre vacinação e reabertura da economia, além de ausência de ruptura da política fiscal.

"Acho que com isso a gente tem potencial de valorização do real, mas claro que neste momento de estresse todo mundo está apavorado", disse.

A moeda e as taxas de juros no Brasil sofreram um revés nas últimas semanas com o entrevero gerado pela proposta de Orçamento 2021 --aprovada pelo Congresso, mas considerada pela equipe econômica e o mercado como irreal.

Em seu cenário-base, o BTG Pactual vê o dólar a 5,40 reais no fim do ano, acima dos 5,20 reais previstos antes.

Mesmo com as novas projeções embutindo um cenário pior, elas ainda apontam queda do dólar até o fim do ano. Essa perspectiva de baixa é explicada pelo banco a partir do controle da pandemia no Brasil --que segundo o BTG vai ajudar a diminuir o risco-país--, do aumento da Selic para 5,00% (a taxa está atualmente em 2,75%) e dos maiores preços de commodities no mercado internacional.

Contudo, num cenário extremo --de maior gasto público e forte alta do risco-país--, a cotação poderia terminar o ano em 6,40 reais.