Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,62
    +0,30 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.741,90
    -2,90 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    60.137,71
    -183,32 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.283,43
    +55,89 (+4,55%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.741,23
    -26,83 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.811,75
    -17,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7597
    -0,0045 (-0,07%)
     

Dólar fecha em queda após superar R$5,77 com alívio sobre PEC Emergencial; BC volta a atuar

José de Castro
·2 minuto de leitura
Notas de cem dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado de câmbio sofreu uma reviravolta nesta quarta-feira, com o dólar fechando em ligeira queda e na casa de 5,66 reais, depois de operar em alta ao longo de toda a sessão e superar 5,77 reais. Investidores acionaram expressivas ordens de vendas na reta final dos negócios, após o presidente da Câmara garantir que o Congresso não permitirá furo do teto de gastos.

Especulações de que seriam apresentadas emendas para deixar o Bolsa Família fora do teto de gastos aumentaram a pressão sobre o mercado desde o fim da manhã, o que fez o Banco Central anunciar dois leilões de swap cambial tradicional, os quais resultaram em injeção líquida de 2 bilhões de dólares nos mercados futuros de câmbio.

Em cinco pregões, o BC já despejou no mercado o equivalente a 7,175 bilhões de dólares em valores somados de intervenções nos mercados spot e futuro.

Ainda assim, o dólar seguiu em alta, com o real revezando com a lira turca a vice-lanterna do dia --o peso mexicano liderava as perdas nos mercados globais de câmbio.

Por volta de 16h30, a moeda norte-americana repentina e expressivamente passou a reduzir os ganhos, conforme circulavam nas mesas operação informações de que o Bolsa Família seguiria sob o teto de gastos. Às 16h44 veio a pá de cal sobre o dólar, depois de o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), dizer que o Congresso votará PECs "sem nenhum risco ao teto de gastos".

Além disso, o relator da PEC Emergencial, senador Marcio Bittar (MDB-AC) apresentou complementação de voto nesta quarta-feira em que acata sugestões de colegas e fixa limite de 44 bilhões de reais para montante de auxílio que poderá ser excepcionalizado das regras fiscais em 2021.

O mercado vinha há dias temendo que o Senado optasse por votar uma PEC Emergencial muito mais desidratada e fatiada, o que, somado a atitudes recentes do presidente Jair Bolsonaro em relação a empresas estatais, inflou temores de uma guinada da política econômica para fora da responsabilidade fiscal e de autonomia na gestão de Petrobras e Banco do Brasil, entre outras empresas.

No fim da agitada sessão, o dólar à vista mostrou variação negativa de 0,07%, a 5,6624 reais na venda. Na máxima, alcançada pouco depois das 13h, a cotação saltou 1,89%, para 5,7732 reais, nos picos desde novembro do ano passado.

Ainda na última hora de negócios, investidores analisaram informação de que o governo federal vai assinar um contrato com a Pfizer para comprar vacinas do laboratório para a imunização contra Covid-19.

"Enfim, uma boa notícia. Com muito atraso e a um custo de muitas vidas perdidas que poderiam ser evitadas", disse Thomaz Sarquis, economista da Eleven Financial Research.