Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.370,51
    +128,85 (+0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Dólar cai mais de 2% e fecha abaixo de R$5 antes de decisões sobre juros e com leilão do BC

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Notas de dólar
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar caiu mais de 2% nesta terça-feira, acompanhando movimento internacional de depreciação e indo abaixo da marca psicológica de 5 reais antes da conclusão das reuniões de política monetária dos bancos centrais de Brasil e Estados Unidos.

Uma nova oferta de liquidez da autoridade monetária local no mercado de câmbio também ajudou a alimentar as perdas do dólar, segundo operadores.

A moeda norte-americana à vista caiu 2,10%, a 4,9645 reais na venda, sua maior depreciação diária desde 30 de dezembro do ano passado (-2,12%). Na B3, às 17:03 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 2,37%, a 5,0085 reais.

Segundo participantes do mercado, a baixa foi, em parte, um movimento de realização de lucros, depois de na véspera a moeda norte-americana spot ter fechado em alta de 2,58%, a 5,0712 reais na venda, pico desde 16 de março (5,0917 reais) e maior ganho desde 22 de abril (+4,07%), que havia sido o salto mais intenso do dólar desde o início da pandemia de Covid-19.

Também houve ajuste para baixo do dólar em relação à maioria das moedas de países emergentes --com destaque para rand sul-africano e pesos mexicano e chileno--, que haviam sofrido na véspera com a disparada da divisa norte-americana para perto de seus maiores patamares em 20 anos contra uma cesta de rivais fortes.

O índice do dólar devolveu uma parte dessas perdas nesta sessão, no entanto, com os participantes do mercado à espera da conclusão da reunião de dois dias do Federal Reserve, na quarta-feira, quando o banco central dos EUA deve anunciar alta de 0,5 ponto percentual nos juros, a dose mais intensa de aperto monetário desde 2000.

"O que os especialistas especulam é qual será a sinalização do Fed para o movimento futuro das taxas", disseram analistas da Levante Investimentos em nota. "Ou seja, até quanto os juros podem subir e em qual velocidade."

Eles chamaram a atenção para as apostas crescentes num patamar de juros mais restritivo nos EUA, com alguns agentes estimando taxas terminais de 3% a até 4%, o que explica a recente disparada da moeda norte-americana --que saltou 3,8% contra o real no acumulado de abril-- e pode manter alguma tendência de depreciação da divisa brasileira.

Investidores também estão à espera da decisão de política monetária do Banco Central do Brasil, com expectativa de elevação da taxa Selic em 1 ponto percentual, a 12,75%, e possível sinalização de alta adicional nos juros em junho.

O salto dos custos dos empréstimos domésticos para dois dígitos, ante mínima histórica de 2% atingida durante a pandemia, foi apontado como o grande responsável pela queda do dólar nos três primeiros meses do ano --quando a moeda norte-americana perdeu 14,5%, pior desempenho trimestral desde meados de 2009.

"Apesar do estresse de curto prazo, reiteramos nossa percepção de que os juros internacionais ainda têm um spread consideravelmente distante dos rendimentos no Brasil, em especial em termos de reais, e o movimento recente de investidores estrangeiros aqui, apesar da desvalorização do real frente ao dólar, mostra que o apetite pelos ativos locais pode ser reativado", escreveu Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset.

INTERVENÇÃO NO CÂMBIO

O Banco Central realizou neste pregão leilão de até 20 mil contratos de swap cambial tradicional com vencimento em 1° de dezembro de 2022 e 3 de abril de 2023, em que vendeu o total da oferta, o equivalente a 1 bilhão de dólares.

Segundo Jefferson Rugik, diretor-executivo da Correparti corretora, essa operação ajudou a alimentar as perdas do dólar frente ao real no dia, já que ofereceu mais liquidez ao mercado.

O leilão havia sido anunciado na véspera, e marcou nova intervenção extraordinária do BC no mercado de câmbio, que na terça-feira passada havia vendido 500 milhões de dólares em contratos de swap em meio à disparada da divisa norte-americana frente ao real. Antes disso, no dia 22 de abril --quando o dólar saltou mais de 4%--, o BC chegou a vender 571 milhões de dólares à vista.

A autarquia também vendeu nesta terça-feira 15 mil contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 1° de junho de 2022, operação que já era prevista em calendário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos