Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,58
    +0,46 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    39.983,02
    -247,16 (-0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    991,83
    -18,77 (-1,86%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.609,37
    -29,16 (-0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.381,16
    -60,14 (-0,20%)
     
  • NASDAQ

    14.040,50
    +10,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1125
    -0,0054 (-0,09%)
     

Dólar fecha semana em alta após seis quedas; inflação nos EUA mantém-se no foco

·2 minuto de leitura
Notas de reais e dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar fechou em queda nesta sexta-feira, respondendo ao alívio global nesta sessão, mas na semana a moeda ainda acumulou alta, após o rali da penúltima sessão por temores inflacionários nos Estados Unidos.

O dólar à vista caiu 0,78% nesta sexta, para 5,2720 reais, após oscilar entre 5,2978 reais (-0,30%) e 5,2458 reais (-1,28%).

No exterior, o índice da divisa norte-americana recuava 0,5%. O dólar perdia terreno contra a vasta maioria de seus principais rivais, com moedas correlacionadas a commodities (assim como o real) em alta de até 1,5%.

A calma nos mercados globais de câmbio veio depois de Christopher Waller, diretor do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos), dizer na quinta-feira que o Fed não elevará os juros até ver a inflação acima da meta por um longo tempo ou uma inflação excessivamente alta.

Os mercados experimentaram um solavanco na quarta-feira, depois de dados muito mais fortes de preços ao consumidor nos EUA turbinarem apostas de que o Fed seria levado a apertar mais rapidamente a política monetária. Na prática, isso se traduziria em enxugamento de liquidez, que deixaria de fluir para países emergentes, como o Brasil.

"O mercado já vive há décadas sem uma experiência concreta de inflação nos EUA. Então, não será de um dia para o outro que este cenário irá se entrincheirar no preço dos ativos. Isso levará tempo e novos dados econômicos", disse Dan Kawa, CIO da TAG Investimentos. "De maneira geral, espero um cenário de maior volatilidade pela frente", completou.

Na semana, a cotação no Brasil acumulou ganho de 0,85% --após seis semanas de queda--, sobretudo devido à alta de 1,55% da quarta-feira, quando o dólar disparou em todo o mundo após dados mais fortes de inflação nos EUA.

Em maio, a moeda ainda perde 2,94%, mas sobe 1,55% em 2021.

Estrategistas do Bank of America ainda avaliam que o consenso é de dólar mais fraco no mundo, mas ponderam que o momento de redução de estímulos nos EUA continua como um fator-chave para a dinâmica dos mercados e que ruídos vindos dos próximos dados podem deixar investidores mais cautelosos ao expressarem suas visões.

No Brasil, o câmbio foi tema de participações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e do diretor de Política Monetária, Bruno Serra, em eventos virtuais separados.

Campos Neto disse acreditar que a pressão cambial mais forte decorrente do desmonte do "overhedge" (proteção cambial adicional dos bancos) e de pré-pagamentos de dívidas em moeda estrangeira por empresas brasileiras ficou para trás. Já Serra afirmou que o Bacen foi modesto" em sua atuação no câmbio em 2020, como deveria ser, e que suas intervenções nunca tiveram como foco a política monetária.

(Edição de Isabel Versiani)