Mercado abrirá em 9 h 34 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,71
    -0,93 (-1,53%)
     
  • OURO

    1.709,70
    -13,30 (-0,77%)
     
  • BTC-USD

    49.117,89
    +2.475,27 (+5,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    983,91
    +55,67 (+6,00%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.588,53
    +105,10 (+1,62%)
     
  • HANG SENG

    29.356,15
    -96,42 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    29.554,75
    -108,75 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    13.250,50
    -29,25 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7814
    -0,0142 (-0,21%)
     

Dólar fecha em leve queda, mas mercado segue pressionado por fiscal

José de Castro
·2 minuto de leitura
REUTERS/Ricardo Moraes

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou apenas em leve baixa nesta quarta-feira, depois de uma sessão de vaivém e com o real ficando atrás de pares, conforme incertezas fiscais e sobre política monetária seguiram a limitar a demanda pela moeda brasileira.

O dólar à vista caiu 0,20%, a 5,3717 reais na venda.

A moeda oscilou entre alta de 1,03%, para 5,4384 reais, e queda de 0,60%, para 5,3504 reais.

O real ficou mais uma vez aquém de vários pares emergentes. As moedas de Chile e Colômbia, por exemplo, subiam 1,3% e 0,5%, respectivamente.

O noticiário sobre risco de mais auxílio emergencial sem medidas para conter o impacto sobre as contas públicas seguiu sob os holofotes. Nesta quarta, o relator do Orçamento de 2021, senador Márcio Bittar (MDB-AC), defendeu a volta do auxílio e disse que os mais necessitados não podem esperar pelas reformas, conforme comentários de profissionais do mercado.

Nesta semana, o mercado já havia reagido mal a declarações do presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), de que não se pode vincular um novo auxílio emergencial a PECs que poderiam compensar aumento de gastos.

Agentes financeiros têm refeito cálculos com a possibilidade de volta do auxílio, mas nos novos cenários consideram a aprovação de medidas que compensem o impacto fiscal. Entre as mais citadas está a PEC Emergencial, que estabelece gatilhos para conter despesas públicas.

Para Helena Veronese, economista-chefe na Azimut Brasil Wealth Management, o governo não tem uma base "supersólida" que respalde expectativa de aprovação "de tudo da agenda de reformas", e o caminho para tal não será fácil.

O maior risco neste momento, segundo ela, continua a ser uma ruptura "pé na jaca" do teto de gastos. "O risco é um fiscal muito frouxo. Se não aprovar reforma, vai ser ruim, mas isso teria menos impacto do que a ruptura do teto."

Em seu cenário-base, que não contempla furo "pé na jaca" do teto, o dólar termina 2021 entre 5,15 reais e 5,20 reais, na esteira de recuperação da economia no segundo semestre e de uma esperada fraqueza global do dólar.

Já com o mercado de câmbio à vista fechado, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira o texto-base de projeto que confere autonomia formal ao Banco Central, de forma a garantir à instituição financeira que execute suas tarefas sem risco de interferência político-partidária.

Simbolicamente pinçada como a primeira medida a ser votada sob a gestão do novo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a proposta seguirá à sanção presidencial caso não seja alterada pela Casa durante a análise de emendas ao texto.