Mercado fechará em 5 h 35 min
  • BOVESPA

    109.673,24
    -278,25 (-0,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,05
    -0,42 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.893,90
    +3,20 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    22.736,02
    -380,50 (-1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,97
    -12,92 (-2,41%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.943,50
    +58,33 (+0,74%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.676,00
    +130,75 (+1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5994
    +0,0320 (+0,57%)
     

Dólar fecha em baixa e Bolsa em alta com 'diminuição de ruídos' vindos de Brasília sobre economia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar fechou em baixa e a Bolsa em alta nesta terça-feira (24), com analistas apontando as declarações dadas pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, sobre meta de inflação e independência do Banco Central, que serviram para "diminuir os ruídos" provocados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nos últimos dias.

O Ibovespa fechou em alta de 1,16% a 113.028 pontos. O dólar comercial à vista fechou em baixa de 1,13%, cotado a R$ 5,142.

Os juros fecharam em baixa, com maior intensidade nos contratos mais longos. Os contratos para 2024 caíram dos 13,56% do fechamento desta segunda-feira (23) para 13,49%. Para 2025, os juros recuaram de 12,85% para 12,69%. Para 2027, a taxa caiu de 12,91% para 12,73%.

Enquanto a inflação medida pelo IPCA-15 veio pouco acima do esperado, em 0,55% em janeiro, os investidores estão dando maior peso às declarações dadas na noite desta segunda-feira pelo ministro da Fazenda.

Haddad pediu tranquilidade nas discussões sobre a meta de inflação, criticada desde a semana passada pelo presidente Lula, dizendo que a inflação atual não está tão longe do teto do intervalo permitido pelo CMN (Conselho Monetário Nacional).

A meta de inflação atual é de 3,25% ao ano, e o Banco Central, responsável por esse controle, tem uma margem de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Uma inflação de até 4,75% no ano estaria dentro desta margem. No ano passado, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) fechou em 5,79%.

Para Jansen Costa, sócio fundador da Fatoria Investimentos, o dólar voltou ao patamar justo, depois de subir muito em relação ao real por conta das declarações recentes dadas por Lula. "Houve um aumento grande da tensão, e isso levou o dólar a uma cotação acima do que deveria", explica.

O dólar tem potencial para cair a até cerca de 5,05 reais nos próximos meses, mas deve ter um repique no segundo semestre diante da discussão do arcabouço fiscal no Brasil e de mudanças esperadas no panorama externo, disse Maurício Une, economista sênior do Rabobank para América do Sul.

O ministro Haddad também comentou as declarações recentes do presidente Lula sobre a independência do Banco Central. Segundo ele, Lula respeitou essa condição em seus dois primeiros mandatos, antes da existência da lei. E agora, com a lei, essa prática continuará.

A discussão envolve principalmente a substituição do atual diretor de Política Monetária do BC, Bruno Serra, que terá seu mandato encerrado no dia 28 de fevereiro.

"Em nome das boas relações entre as instituições, o nome poderia surgir de uma escolha consensual entre o BC e a equipe econômica", sugere a equipe de análise da Levante Ideias de Investimentos. Mas ainda há um temos, segundo a Levante, de uma escolha mais heterodoxa, por ser prerrogativa do presidente da República.

Felipe Moura, sócio e analista da Finacap Investimentos, afirma que a "diminuição de ruídos" beneficia também a Bolsa. "A inflação acelerou um pouco, mas não veio muito longe do esperado, e mostra que a política de juros do Banco Central tem dado resultado."

Ele projeta que o início da divulgação de resultados referentes ao quarto trimestre de 2022, já na próxima quinta-feira com os números da Cielo, deve ser um fator importante para o comportamento do Ibovespa nas próximas semanas.

Alexsandro Nishimura, economista e sócio da corretora BRA, afirma que as ações dos bancos ajudaram o Ibovespa nesta terça-feira, em um movimento de recuperação após as quedas provocadas pelo caso Americanas.

As ações ordinárias e preferenciais do Bradesco subiram 1,12% e 1,06%, respectivamente. As preferenciais do Itaú Unibanco avançaram 0,90%, e as Units do Santander Brasil fecharam em alta de 3,11%. As Units do BTG Pactual tiveram valorização de 1,19%.

Outro dado importante, divulgado na manhã desta terça-feira, foi a arrecadação de impostos em 2022. O valor chegou a R$ 2,2 trilhões em todo o ano passado, uma alta real de 8,18%.

Em Nova York, depois de dois dias seguidos de alta, os índices acionários estão em queda, ajustando posições antes dos balanços de gigantes do setor de tecnologia. A Microsoft divulga seus números após o fechamento do pregão.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,31%, enquanto S&P 500 e Nasdaq recuaram 0,07% e 0,27%, respectivamente.