Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.539,83
    +1.882,18 (+1,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.201,81
    +546,36 (+1,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    41,51
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.914,00
    -1,40 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    11.946,81
    +889,80 (+8,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    239,54
    +0,62 (+0,26%)
     
  • S&P500

    3.443,12
    +16,20 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    28.308,79
    +113,37 (+0,40%)
     
  • FTSE

    5.889,22
    +4,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.705,00
    +44,25 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6264
    +0,0275 (+0,42%)
     

Real engata 3ª semana de perdas, mas cai menos que pares emergentes

Por José de Castro
·3 minutos de leitura
.
.

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta nesta sexta-feira, ao fim de uma instável semana na qual o apetite por risco sofreu um golpe em meio a renovados temores sobre o estado da economia mundial e a evolução da Covid-19.

A moeda norte-americana voltou a se aproximar de 5,60 reais nesta sessão, depois de ter superado esse patamar na véspera, mas a partir do fim da manhã as compras diminuíram, o que ajudou a cotação a encerrar mais próxima da mínima intradiária do que da máxima.

O dólar à vista fechou a sessão em alta de 0,74%, a 5,5538 reais na venda --a quinta alta em seis sessões.

Na semana, o ganho foi de 3,29%, terceira semana consecutiva de valorização. Com o movimento dos últimos cinco dias, o dólar passou a acumular apreciação de 1,33% em setembro, elevando os ganhos em 2020 para 38,40%.

A força do dólar ante o real nesta semana ocorreu em sintonia com a reação de preço da moeda no exterior. A divisa foi beneficiada por fluxos de demanda por segurança depois de indicadores apontando desaceleração econômica nos EUA e na Europa elevarem temores sobre a sustentabilidade da recente retomada.

A esse medo se somaram novas medidas de confinamento em algumas nações europeias, enquanto os Estados Unidos seguiram presos a um impasse sobre novos estímulos num momento em que o Federal Reserve expressa que há pouco o que se fazer adicionalmente do lado da política monetária.

O índice do dólar subia 0,3% no fim da tarde, alcançando o maior nível em dois meses. O índice saltava 1,7% na semana, a caminho da maior valorização no período desde a semana finda em 5 de abril. Ante a mínima em dois anos atingida em 1º de setembro, o dólar no exterior acumulava ganho de 3,1%.

Nesta sexta, pares do real como peso colombiano (-1,6%), rand sul-africano (-1,3%) e rublo russo (-1,2%) lideravam as perdas globais. O peso mexicano cedia 0,7%.

"A correção do mercado que esperávamos começou e há mais por vir, apoiando o dólar e o iene. Esperamos que a maior volatilidade das moedas emergentes se sustente para além das eleições nos Estados Unidos", disseram analistas do Bank of America em nota.

Adicionalmente, o mercado de câmbio doméstico sentiu nos últimos dias impactos de maior estresse na renda fixa, em meio a escalada nas taxas de juros de mercado pela combinação entre aumento das ofertas de títulos públicos pelo Tesouro Nacional, menor demanda pelo mercado e incerteza fiscal --num contexto de Selic nas mínimas históricas.

Há que se chamar atenção, porém, para o melhor desempenho do real no universo das divisas emergentes nesta semana. A moeda brasileira subiu 2,6% ante o peso mexicano, 1,2% frente ao peso colombiano, 0,2% contra o peso chileno e 1,9% em comparação ao rand sul-africano, por exemplo.

Na avaliação do Citi, a "barra" para o real depreciar mais que seus pares está agora "mais alta", com o banco ressaltando que a recuperação da economia brasileira está emitindo sons "mais altos".

O Morgan Stanley elevou as projeções para o desempenho da economia brasileira em 2020 e 2021, avaliando que tanto consumidores como empresários estão em melhor situação para contribuírem para a retomada, em meio a uma política monetária estimulativa.

Analistas do banco norte-americano comunicaram a mudança de estimativas em relatório nesta sexta-feira no qual fizeram comparações com as perspectivas para o México --e concluíram que a economia brasileira está "bem à frente" do rival latino-americano na corrida para sair do fundo do poço.