Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.262,29
    -150,45 (-0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Dólar fecha em alta e supera R$5,25 na maior cotação da sessão após alívio inicial por PIB robusto

Notas de dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar engatou a terceira alta consecutiva nesta quinta-feira, chegando a superar 5,25 reais durante o pregão, nos maiores níveis em um mês, impulsionado pela escalada da moeda no exterior a novos picos em 20 anos, movimento que não deu chance a um breve alívio mais cedo patrocinado pelo PIB brasileiro mais forte.

O dólar à vista fechou em alta de 0,73%, a 5,2386 reais na venda, maior valor desde 3 de agosto (5,2781 reais).

Em três dias, a cotação acumulou ganho de 4,09%, o mais forte para o período desde 14 de junho (4,42%).

Ao longo da jornada, a moeda oscilou de 5,1464 reais (-1,04%) a 5,2581 reais (1,10%).

Lá fora, os ganhos do dólar eram generalizados. O índice da moeda frente a uma cesta de rivais de países ricos saltava 0,75% no fim da tarde, para os maiores níveis em 20 anos. O dólar também subia de forma ampla diante de divisas emergentes.

Novos lockdowns na China e mais dados nos EUA sugerindo espaço para o banco central norte-americano seguir elevando os juros deram o argumento de que operadores precisavam para correrem para o dólar.

"Caso os dados de atividade e emprego (nos EUA) continuem surpreendendo de maneira positiva, provavelmente o mercado precificará um nível de juros mais elevado, o que continuará impulsionando o dólar. Neste contexto, o dado de emprego a ser divulgado amanhã ganha mais importância para a trajetória do dólar no curto e médio prazos", disse Gabriel Cunha, especialista de mercados internacionais do C6 Bank.

O governo dos EUA divulga números gerais de emprego na sexta-feira. A expectativa é de criação líquida de 300 mil vagas, abaixo dos 528 mil postos abertos em julho.

O rali do dólar do meio da manhã até o fechamento veio depois de um curto momento de queda da moeda, logo após a divulgação de dados melhores da economia brasileira no segundo trimestre, com instituições financeiras já revisando para cima suas projeções para o PIB.

Para Leandro De Checchi, analista da Clear Corretora, a resiliência da economia deve fazer do Brasil "cada vez mais" uma ótima opção para o capital estrangeiro. Mais fluxo poderia limitar tendências de depreciação do real.

"A melhora das condições econômicas do Brasil estabelecidas pelo cenário de recuo da inflação, atividade econômica aquecida e valuation atrativo favorece os ativos de risco, o que explica a forte entrada de capital estrangeiro em agosto em busca de melhores oportunidades globais", disse.

Ele destacou ainda a queda dos juros futuros em toda a curva nesta quinta-feira, o que em sua avaliação corrobora a tese do fim do ciclo de aperto monetário dentro do atual cenário de inflação, o que deve favorecer a tomada de risco.